Questões na prática

Clínica Médica

Endocrinologia

Hematologia

Hepatologia

Paciente masculino, 52 anos, obeso mórbido, queixa-se de dor abdominal recorrente há 2 meses de média intensidade, em hipocôndrio direito, que piora com a ingesta de alimentos gordurosos. Nega icterícia, colúria ou acolia. Traz ecografia abdominal demonstrando presença de cálculo em vesícula biliar, único, de aproximadamente 3cm de diâmetro e lesão polipóide da parede da vesícula biliar, móvel, de 1cm de diâmetro. Assinale abaixo a alternativa incorreta:

A
Os cálculos biliares compostos predominantemente por colesterol são os mais frequentes.
B
São fatores predisponentes para a formação de cálculos biliares pigmentados a cirrose, estase biliar e hemólise crônica.
C
Pacientes com colelitíase assintomática que apresentam cálculos maiores que 2cm ou uma vesícula biliar calcificada têm indicação cirúrgica.
D
Define-se colesterolose da vesícula biliar como a lesão consequente ao acúmulo de ésteres de colesterol nos macrófagos da mucosa e submucosa da parede vesicular.
E
Portadores de obesidade mórbida tem incidência de colelitíase maior do que os índices gerais da população e esta incidência diminui naqueles que se submetem a tratamento cirúrgico da obesidade.
Paciente do sexo feminino, 19 anos, com queimaduras de segundo e terceiro graus abrangendo 40% de área de superfície corporal, deu entrada em unidade de terapia intensiva. Qual dos parâmetros abaixo é o mais fidedigno para a avaliação da efetividade terapêutica aplicada durante a fase de choque nesta paciente?
A fisiopatologia da litíase urinária é multifatorial. Obesidade e distúrbios metabólicos têm correlação importante na formação de cálculos urinários. Assim,
De acordo com o Manual de Normas para Controle e Assistência das Infecções Respiratórias Agudas do Ministério da Saúde, qual o provável diagnóstico e conduta diante de pré-escolar, 03 anos de idade, com febre e tosse há 48 horas, sem tiragem intercostal ou subdiafragmática, com frequência respiratória de 50ipm?
A apresentação clínica mais comum da iridociclite crônica em crianças com artrite idiopática juvenil oligoarticular é:
Compartilhar