Questões na prática

Cirurgia

Cirurgia do Trauma

Paciente, sexo feminino, 24 anos de idade, vítima de acidente automobilístico, dá entrada na sala de emergência desacordada, afásica sem abertura ocular e localiza a dor ao estímulo álgico. Apresenta respiração ruidosa e utiliza musculatura acessória. O pulso é taquisfígmico e fino. Tensão arterial: 67 X 34 mmHg. Mucosas descoradas ++++/IV, extremidadas frias e cianóticas. A ausculta pulmonar é abolida à esquerda, com estase de jugular e hipertimpanismo na caixa torácica ipsilaterais. Diante do exposto, a medida mais precoce a ser instaurada pelo médico emergencista é:

A
punção venosa periférica e administração de solução cristaloide isotônica; tipo Ringer Lactado
B
punção do hemitórax esquerdo com gelco 14 no 2ª espaço intercostal
C
providenciar via aérea definitiva
D
toracostomia com tubo à esquerda no 5º espaço inercostal
E
iniciar infusão de vasopressor (norepinefrina)
Com respeito à Doença Vascular Cerebral Hemorrágica, indique a INCORRETA.
Selecione a alternativa em que a dosagem da troponina I seria conclusiva para a lesão miocárdica decorrente de isquemia miocárdica nas primeiras 12 horas após o início do quadro clínico. Assuma, em todas as situações, que a troponina não foi dosada previamente:
Homem, 29 anos, apresentou quadro agudo de febre, nódulos, eritematosos, alguns ulcerados em membros superiores, dores articulares, adenomegalia diagnósticas generalizada, hepato-esplenomegalia e edema de mãos e pés. Quais são as suspeitas desse quadro clínico?
Recém-nascido com 14 dias de vida apresenta secreção ocular unilateral não purulenta, de início há sete dias. Parto vaginal, a termo, mãe realizou duas consultas no pré-natal e vinha apresentando disúria e secreção vaginal mucoide durante o último mês. Qual a hipótese diagnóstica mais provável da etiologia desta conjuntivite?
Compartilhar