Questões na prática

Clínica Médica

Pneumologia

Paciente, sexo masculino, 28 anos de idade, chega à emergência vítima de acidente motociclístico e, segundo relato da equipe de resgate, estava sem capacete e cursou com traumatismo cranioencefálico. Ao exame, o paciente encontrava-se pálido com pulsos filiformes e com expansibilidade torácica bilateral, desorientado, apresentava abertura ocular ao chamado e não possuía movimentação espontânea, mas localizava a dor quando estimulado. Um ferimento linear em supercílio e região temporal esquerdos com sangramento ativo chamava atenção. Considerando-se o diagnóstico de trombose venosa profunda:

A
anticoagulação plena com heparina de baixo peso molecular
B
anticoagulação plena com heparina não fracionada
C
anticoagulação plena com cumarínicos
D
implante de filtro de veia cava
E
heparinização profilática
Qual o fator mais frequente para abortamento espontâneo recorrente?
Analisando as considerações anatômicas da glândula tireoide, a opção correta é:
Em uma mulher com biópsia de colo uterino (pequeno fragmento), realizada às cegas (sem colposcopia), com invasão de 2 mm qual a melhor conduta seguinte?
Alberto tem 32 anos e viajava de carro com sua esposa Ana, de 30 anos, e seus dois filhos Mário e Luis de 6 e 4 anos, respectivamente. Os pais ocupavam os assentos dianteiros e os filhos estavam acomodados no banco traseiro. Somente Alberto não usava o cinto de segurança. Durante discussão entre as crianças, Alberto se distraiu e cruzou a pista colidindo de frente com outro automóvel que vinha em sentido contrário e era ocupado por José de 60 anos. Socorridos após 20 minutos pelo Grupamento de Socorro de Emergência, após estabilização foram levados para hospital municipal público da região. Ao dar entrada no pronto-socorro Alberto apresentava dor em região costal anterior direita e dispneia leve com PA = 110 x 75 mmHg e pulso de 132 bpm. Ao exame físico notava-se lesão em abrasão na região de 9o a 11o arcos costais anteriores direitos com pequena depressão da parede torácica e dor à palpação profunda do abdome com defesa voluntária. Ana encontrava-se hipocorada (++/4+), PA 90 x 50 mmHg, pulso de 144 bpm, dor de forte intensidade em cintura pélvica com dificuldade de mobilização dos membros inferiores. As crianças não apresentavam lesões ao exame físico e José faleceu imediatamente após dar entrada no PS apesar de todas as manobras de manutenção da vida. Após realizarmos RX de tórax e abdome e US abdominal em Alberto, constatou-se fratura de 10o e 11o arcos costais direito, nível líquido compreendendo 1/3 do espaço pleural direito e não foram identificadas lesões abdominais nos exames realizados. Para Alberto a melhor alternativa de tratamento, neste momento, é:
Compartilhar