Questões na prática

Cirurgia

Cirurgia do Trauma

Peri, 35 anos, é atendido pelo GSE em via pública, após acidente automobilístico. Está alcoolizado, apresenta trauma torácico, com desconforto respiratório e hipotensão (PA 90/60mmHg), que responde a infusão de cristaloides; FC 100 bpm, FR 28 irpm. Submetido a cateterismo vesical que dá saída a 50 ml de urina sanguinolenta, a ultrassonografia abdominal que revela moderada quantidade de líquido livre na cavidade peritoneal; radiografia de tórax com hipotransparência difusa em hemitórax esquerdo. Após dez dias de internação na UTI, como se mantinha dependente de ventilação mecânica, foi realizada traqueostomia. Doze horas após o procedimento,o alarme do respirador indica “baixa pressão”. O paciente está cianótico e há deslocamento da cânula de traqueostomia. Neste momento deve-se:

A
avançar a cânula e reinsuflar o balonete
B
retirar a cânula e introduzir outra de menor calibre pelo traqueóstomo
C
retirar cânula e proceder a intubação orotraqueal
D
ventilar manualmente enquanto se aguarda a revisão cirúrgica do orifício
São fatores de risco para parada cardiorrespiratória, EXCETO um. Aponte-o.
Leia as afirmações acerca dos aneurismas de aorta e responda: I- Os aneurisma abdominais são mais comuns que os torácicos; II- O tabagismo é o fator de risco mais importante associado ao desenvolvimento de aneurisma de aorta abdominal, seguido de idade, hipertensão e dislipidemia; III- A maioria dos aneurismas abdominais e torácicos são assintomáticos quando descobertos incidentalmente em um exame de rotina ou estudo de imagens.
Lactente de 5 meses apresentando dor abdominal tipo cólica, há 10h, com distensão abdominal, vômito e eliminação de muco sanguinolento. Qual o diagnóstico provável e o exame adequado para sua confirmação?
Qual exame é considerado padrão-ouro para diagnóstico da rinossinusite crônica?
Compartilhar