Questões na prática

Clínica Médica

Cardiologia

Infectologia

Dermatologia

Podemos afirmar que é correto:

A
Administrar penicilina cristalina endovenosa como primeira opção na difteria, doença meningocócica endocardite bacteriana por estreptococo viridans.
B
Considerar diagnóstico de tuberculose pulmonar ativa quando há imagem pulmonar duvidosa, mas com 1 teste cutâneo tuberculínico positivo e 1 baciloscopia direta positiva e outra negativa.
C
Considerar benigna a evolução de um caso de dengue com plaquetopenia, e elevação do hematócrito, hipoalbuminemia e aumento do ácido lático.
D
Tratar a neurite pós-herpética com aciclovir.
E
Realizar investigação diagnóstica de malária com coleta de hemocultura.
No item a seguir, é apresentado um caso clínico hipotético relativo às doenças do recém-nascido e do lactente, seguido de uma assertiva a ser julgada. Um paciente de 1 mês de vida apresenta tosse, frequência respiratória de 64 incursões por minuto, tiragem subcostal e febre. Nesse caso, o quadro clínico é compatível com pneumonia e, por ser de origem comunitária, o tratamento pode ser realizado no ambulatório, devendo a criança ser reavaliada nas primeiras 48 horas de antibioticoterapia.
Acerca da avaliação e do tratamento de pacientes politraumatizados, julgue o item subsequentes. Os sinais mais precoces de síndrome compartimental são o deficit motor e o desaparecimento do pulso distal.
Mulher com 20 anos de idade procura o pronto-socorro, acompanhada de seus pais, com queixas de taquicardia, dispneia, sensação de sufocamento, tontura e tremores há aproximadamente uma hora. A cliente relatou que estava tranquilamente em sua residência assistindo televisão, quando subitamente sentiu um desconforto, com os sintomas aqui relatados, que duraram aproximadamente vinte minutos. A remissão completa ocorreu anteriormente à sua chegada ao pronto-socorro. Embora a paciente estivesse muito preocupada de correr risco de morte, sua mãe informou que nas últimas três semanas esse quadro ocorreu por três vezes, sendo atendida nesse mesmo hospital, onde houve uma investigação clínica, sem a constatação de qualquer alteração. Qual o diagnóstico mais provável?
Em relação às esplenectomias, são feitas as observações abaixo: I. O abscesso subfrênico esquerdo é a complicação intra-abdominal mais comum pós-esplenectomia; II. A fístula pancreática pós-esplenectomia é decorrente, na maioria das vezes, de lesões ocorridas na cauda do pâncreas e são mais frequentes que as fístulas gástricas; III. O principal mecanismo para o aparecimento das fístulas gástricas pós-esplenectomia é a inclusão da parede gástrica no momento da ligadura dos vasos curtos; IV. A trombose das grandes veias esplâncnicas ligadas ao sistema porta é uma das complicações com maior potencial de mortalidade. Dessas observações, podemos afirmar que:
Compartilhar