Questões na prática

Clínica Médica

Reumatologia

Portadora de lúpus eritematoso sistêmico chegou, ao ambulatório, com quadro de reativação grave da doença. Que exames, dentre os abaixo, melhor detectam esta situação?

A
Pesquisa de anticorpos anti-Sm e medida da velocidade de hemossedimentação.
B
Pesquisa de anticorpos anti-DNA e dosagem sérica dos complementos C3 e C4.
C
Dosagem sérica de fator antinuclear e pesquisa de anticorpos anti-DNA.
D
Dosagem sérica de fator antinuclear e medida da velocidade de hemossedimentação.
E
Dosagem sérica de fator antinuclear e dosagem sérica dos complementos C3 e C4.
Dorival, 68 anos, em pré-operatório de carcinoma bem diferenciado localizado no colo esquerdo. História de colonoscopia há dez anos, com remoção de pólipo de 1 cm de diâmetro. Seu irmão mais velho foi operado de câncer no colo aos 80 anos. Tem história prévia de trombose venosa profunda femoropoplítea direita há 10 anos após fratura de ossos de perna e imobilização com aparelho gessado. O ecodoppler venoso recente mostra total recanalização do sistema venoso profundo direito, com discreto refluxo na veia femoral superficial. A antibioticoprofilaxia neste caso deve ser feita com:
Milton, 1 mês e 25 dias de idade, apresenta, há 24 horas, leve coriza hialina, tosse discreta, fezes líquidas amareladas (cerca de sete evacuações), febre alta que cede com paracetamol e reaparece algumas horas depois. Hoje teve várias “crises” de choro forte e está “um pouco diferente”. Recebe leite materno e fórmula láctea industrializada desde 28 dias de idade. Exame físico: peso 4.900 g, T.ax 39,1ºC, FC 144 bpm, FR 40 irpm; alterna períodos de choro intenso com apatia, irritável ao manuseio, hipertonia muscular difusa, fontanela plana levemente deprimida, elasticidade cutânea e turgor discretamente reduzidos, ausência de lágrimas, sede exacerbada, pulsos amplos e acelerados, extremidades acianóticas, ausculta cardiopulmonar, abdome e membros inferiores sem alterações. As duas principais hipóteses diagnósticas são:
Leila, 39 anos, notou aumento da mama, com endurecimento focal, calor e rubor há 4 meses. Automedicou- se com pomadas, sem melhora. Há 2 semanas surgiram febre e ulceração em mama, com saída de secreção purulenta. A mamografia revela “ classificação de Bi- rads IV ’’. A conduta é:
Leila, 39 anos, notou aumento da mama com endurecimento focal, calor e rubor há 4 meses. Automedicou-se com pomadas, sem melhora. Há 2 semanas surgiram febre e ulceração em mama, com saída de secreção purulenta. A mamografia revela “classificação de Bi-rads 4’’. Cybele amiga de Leila tem 45 anos e apresenta sangramento uterino anormal. Aproveita a consulta para mostrar o resultado do seu preventivo, cujo laudo foi AGUS (Atipias em Células Glandulares de Significado Indeterminado) com processo inflamatório. A conduta é fazer:
Compartilhar