Questões na prática

Clínica Médica

Pediatria

Infectologia

Pré-escolar de cinco anos é atendido com quadro agudo de febre, cefaleia e vômitos. Ao exame, apresenta-se sonolento e com rigidez de nuca. Exame ao liquor: 600 células, sendo 90% de neutrófilos; proteína 80 mg%, glicose 25 mg%. Látex negativo para meningococo, hemófilo e pneumococo. O diagnóstico provável é:

A
encefalite
B
meningite viral
C
abscesso cerebral
D
meningite bacteriana
E
meningite tuberculosa
A teoria que melhor explica a fisiopatologia da Taquipnéia Transitória do RN é:
Com relação às anginas, tonsilite ulceromembranosa unilateral, que não se estende aos pilares e que está associada à má higiene oral, são características da:
Uma paciente do sexo feminino, 7 anos de idade, há 8 meses queixa-se de dores nas coxas e fossas poplíteas, cerca de 3 episódios ao mês, surgindo mais frequentemente ao fim da tarde ou à noite; acorda pela manhã sem dor. Ao exame físico: Peso = percentil 75 para a idade. Frequência cardíaca = 82 bpm. Ausculta cardíaca: RCR 2T BNF sem sopros. Ausculta pulmonar: MV presente sem RA. Abdome: sem alterações. Osteoarticular: sem edemas, sem dor à palpação ou mobilização. Exames iniciais: Hemograma normal; VHS (velocidade de sedimentação das hemácias) = 14 mm/h; ASLO (anticorpo antiestreptolisina O) = 520 UI/ml; radiografia de membros inferiores sem alterações. A conduta correta a ser seguida pelo Pediatra Geral:
Você, médico, está andando na praia e encontra uma criança de, aproximadamente, 5 anos, desacordada na beira do mar. Ela está cianótica, respiração agônica, secreção abundante em boca, sem pulsos. Olha ao redor e percebe que está sozinho. No caso descrito você encontrou um colega seu que estava por perto e que o ajudou até o SAMU chegar. O médico da equipe do SAMU não conseguiu entubar o paciente e usou uma máscara laríngea. O paciente continuou sem pulso e em parada cardíaca; mesmo após as ventilações e compressões torácicas conseguiram um acesso intraósseo (IO) para a administração de medicação. Responda, respectivamente: qual a relação compressão/ ventilação usada por você e seu colega; a relação compressão/ventilação utilizada com o paciente, usando a máscara laríngea, qual a droga de primeira escolha a ser utilizada e a dose pela via IO?
Compartilhar