Questões na prática

Clínica Médica

Nefrologia

Lactente com três anos de idade, do sexo masculino, branco, natural e procedente de Taguatinga-DF, apresenta história de febre baixa há trinta dias, na frequência de duas vezes ao dia. Há dois dias associou-se edema periorbitário superior direito e sem sinais flogísticos. Familiares negam sintomas gripais prévios. Procurou atendimento médico sendo diagnosticada sinusite e iniciada antibioticoterapia oral. Um dia após o início da medicação, notou-se piora do edema, com progressão para anasarca. A criança foi internada, tendo-se verificado que a PA estava no nível de 90 X 40 mmHg. Em relação a essa situação hipotética, assinale a alternativa incorreta.

A
Diuréticos devem ser usados com cautela para evitar hipotensão e insuficiência renal aguda.
B
A hipoalbuminemia (<2,5 g/dl) e a proteinúria (>50mg/Kg/24h) são achados esperados na doença descrita.
C
Hiperlipidemia e a lipidúria frequentemente estão presentes, embora não sejam constituintes essenciais da definição da doença.
D
O tratamento recomendado é o emprego de prednisona ou prednisolona (2 mg/Kg/dia, em dose única matinal).
E
Está indicada a biópsia renal para melhor esclarecer os achados clínicos.
Uma menina de 60 dias apresenta lesão assintomática que surgiu há 40 dias como mácula vinhosa e evoluiu para tumoração com crescimento progressivo. Ao exame, apresenta tumoração vinhosa e macia à palpação de 3 cm de diâmetro, localizada na região malar direita. Frente aos aspectos da história e do exame físico, o diagnóstico e a conduta são, respectivamente:
Um paciente de 12 anos foi submetido a transplante alogênico de células-tronco hematopoiéticas, para tratamento de anemia aplástica severa, tendo recebido fluconazol e ganciclovir profilaticamente antes do transplante. No D14, ainda neutropênico, apresentou quadro de tosse, febre e dor torácica. Uma tomografia de tórax mostrou opacidades nodulares em pulmão direito, sem área de atenuação em vidro fosco ao redor. Medicado com antibióticos de amplo espectro, não defervesceu, e no D17 surgiram lesões cutâneas em braço e dorso, de aspecto nodular e ulceronecrótico. As hemoculturas coletadas nas últimas 72 horas revelavam o crescimento de um microrganismo ainda em identificação. Baseado no relato acima, que agente oportunista será identificado?
O diagnóstico definitivo da influenza pelo vírus H1N1 pode ser feito pelos métodos de biologia molecular (PCR) com maior precisão. Ensaios de detecção antigênica (Elisa e imunofluorescência) diferenciam entre influenza A e B somente. Um teste positivo para influenza A não diferencia influenza sazonal (H3 ou H1) da infecção pela influenza H1N1. A sensibilidade do ensaio de detecção antigênica para detectar influenza H1N1 não é ainda conhecida. Testes comerciais rápidos de detecção antigênica que usam swabs de garganta ou nariz estão disponíveis e podem fornecer um resultado em 15-30 minutos. O teste rápido geralmente tem uma sensibilidade de 60 a 80% comparado com a cultura do vírus. Assim, um teste negativo não exclui influenza. A sensibilidade desses testes sugere que o teste rápido é menos útil onde a probabilidade pré-teste é alta (isto é, durante a fase de transmissão sustentada de uma pandemia estabelecida). Com base na informação acima, é INCORRETO afirmar:
Criança com 5 anos de idade, sofre queda de escada enquanto corria. Em horas apresenta progressivamente hemiparesia direita, letargia e afasia. Identifique o(s) provável(eis) fator(es) etiológico(s) para o seu déficit. 1- Trombose da artéria carótida interna. 2- Aneurisma dissecante da artéria carótida. 3- Êmbolo séptico de origem cardíaca. 4- Abscesso retrofaríngeo. É(São) fator(es) etiológico(s):
Compartilhar