Questões na prática

Pediatria

Neonatologia

Doenças Respiratórias

Prematuro de 27 semanas e 1080g, com 60 horas de vida, está em ventilação mecânica com parâmetros mínimos após ter recebido 2 doses de surfactante. A primeira, com 2 horas, e a segunda, com 12 horas de vida, respectivamente. Há 3 horas, apresenta queda da saturação com necessidade de aumento de parâmetros ventilatórios. Ao exame, apresenta frequência cardíaca entre 168 a 180 bpm, precórdio hiperdinâmico, sopro sistólico em terceiro espaço intercostal esquerdo e pulso amplo. Gasimetria, com aumento de PCO2 e dimuição da PaO2. Neste momento, o diagnóstico mais provável, devido à piora clínica deste prematuro, é:

A
Pneumotórax hipertensivo bilateral.
B
Displasia broncopulmonar.
C
Hipertensão pulmonar persistente.
D
Pneumonia por streptococcus do grupo B.
E
Persistência do canal arterial.
Um paciente masculino, 58 anos, DM II, HAS, obeso e dislipidêmico chega ao Pronto-Socorro com dispneia e febre há 2 dias. Tem na radiografia de tórax: imagem de condensação em base e 1/3 médio de hemitórax direito. Ao exame físico apresenta-se com: PA: 78 x 46 mmHg, FC: 108 bpm, FR = 26 ipm, torporoso, glicemia capilar de 256 mg/dl, temperatura axilar: 38,3°C. O diagnóstico sindrômico e a melhor conduta seriam:
A conduta imediata na fratura supracondiliana do úmero em criança, que apresenta primariamente diminuição do fluxo sanguíneo distal, deve ser:
Mulher de 45 anos procurou assistência médica devido infecções urinárias de repetição. Durante investigação foi identificado cálculo de 35 mm com 1150 UH, localizado na pelve renal e cálice inferior causando discreta dilatação da via excretora. Atualmente, o tratamento sugerido para esta situação é:
Assinale a alternativa CORRETA sobre as obstruções duodenais no recém-nascido:
Compartilhar