Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Obstetrícia

Primigrávida de 19 anos de idade, com 37 semanas de gestação, se apresenta na sala de Emergência devido a quadro de início recente de dor progressiva no quadrante superior direito do abdômen, náuseas, vômitos e cefaleia. Antes do início dos sintomas, a gravidez tinha transcorrido sem intercorrências. Nega antecedentes médicos relevantes e afirma ter tomado suplementos vitamínicos, ferro e ácido fólico. O exame físico mostra uma mulher obesa, desidratada com temperatura de 37,6°C, pulso de 110 bpm e PA de 140/95 mmHg. O quadrante superior direito do abdômen está hipersensível à palpação. O útero não está inflamado e nem contraído e os batimentos cardíacos fetais são de 142 bpm. Exames laboratoriais; hematócrito de 32%; série branca de 22.000 leucócitos/ml; plaquetas de 110.000/ml; tempo de protrombina de 14,9 seg (controle 12 seg); ureia de 24 mg/dl; glicemia de 56 mg/dl; creatinina de 1,5 mg/dl; albumina de 3,4 g/dl; bilirrubina de 1,8 mg/dl; fosfatase alcalina de 179 u/l,AST de 238 u/l; ALT de 372 u/l; amilase de 27 u /l, amônia de 90 ug/dl. EAS com leve proteinúria, 3 leucócitos por campo, sem cilindros. Ultrassonografia do abdome superior revela fígado levemente vesícula biliar discretamente dilatada com espessamento da parede, sem cálculos no seu interior.O pâncreas aparenta ser normal. O diagnóstico mais provável é:

A
colecistite aguda
B
esteatose hepática aguda da gravidez
C
pielonefrite aguda
D
pré-eclâmpsia
Uma mulher com vida sexual ativa, sem parceiro fixo, apresenta linfadenomegalia inguinal dolorosa, com gânglio infartado à direita, com supuração e fistulização por orifícios múltiplos. Ela conta que tudo começou como uma pápula que evoluiu para uma ferida alguns dias antes de apresentar aumento de gânglio doloroso na região inguinal. A doença, seu agente etiológico e tratamento apropriado são, respectivamente:
As queimaduras são uma importante causa de morbidade e de mortalidade, entre as causas acidentais, em crianças. Podemos afirmar que:
Um menino, com 7 anos de idade, recebe o diagnóstico de asma, classificada pelo médico como persistente leve. O médico recomenda o uso de corticoide inalatório como droga de manutenção para prevenção dos sintomas e orienta, durante episódios de crise, que seja utilizado:
No contexto de profilaxia passiva de hepatite viral a aplicação de imunoglobulina:
Compartilhar