Questões na prática

Clínica Médica

Hematologia

Nefrologia

Reumatologia

Qual a causa mais comum de púrpura não trombocitopênica na infância?

A
Infecciosa.
B
Por hipersensibilidade medicamentosa.
C
Por desordens na função plaquetária.
D
Púrpura de Henoch-Schönlein.
E
Síndrome hemolítico-urêmica.
Nasce bebê de 34 semanas por cesariana de urgência por DPP. Ao exame, está hipotônico e sem movimentos respiratórios. É colocado em berço aquecido, posicionado, aspirado e secado. Em relação ao atendimento a lhe ser prestado, são apresentadas as seguintes assertivas: I. Após 30 segundos do nascimento, se permanecer em apneia, usa-se adrenalina intra tubo traqueal. II. Oxigênio a 21% na reanimação inicial pode ser tão efetivo quanto oxigênio a 100%, mas com menores riscos da hiperóxia. III. Se a FC permanecer abaixo de 60 bpm após a ventilação, deve-se começar as compressões torácicas na proporção de 5 para cada ventilação. Qual é a alternativa correta?
Lactente de seis meses, portador de tetralogia de Fallot, apresenta, pela manhã, logo após despertar, quadro de agitação, choro inconsolável, hiperpneia e cianose intensa e progressiva, evoluindo para síncope. Durante estas “crises”, a conduta terapêutica tem como principal objetivo:
Homem de 70 anos comparece ao clínico geral com queixa de dores no flanco direito há três meses, de leve a moderada intensidade e contínua, astenia e perda ponderal de 12 kg no período. Nega alteração do hábito intestinal (uma evacuação a cada dois a três dias), com fezes de consistência ressecada e com esforço evacuatório. Traz hemograma com hemoglobina = 8,6 g/dl e microcitose/hipocromia. Antecedente de nefrolitíase e episódios de pielonefrite. Exame físico com massa palpável no flanco direito. Considerando o diagnóstico mais provável, qual o exame com maior especificidade?
Os pacientes portadores de doença arterial carotídea podem apresentar manifestações clínicas com graus variados, exceto:
Compartilhar