Questões na prática

Cirurgia

Cirurgia do Trauma

Qual a medida mais rápida e efetiva, em sala de emergência, para a redução inicial da pressão intracraniana, em paciente com traumatismo cranioencefálico grave e grau 5 na escala de Glasgow?

A
Manitol intravenoso.
B
Furosemida intravenosa.
C
Dexametasona intravenosa.
D
Hipotermia e diuréticos tiazídicos.
E
Hiperventilação controlada.
Jovem de 19 anos sofreu trauma abdominal fechado. Está sendo submetido à laparotomia exploradora, com extenso inventário da cavidade abdominal. A cirurgia já dura 5 horas, foram administrados 5 litros de soro fisiológico a 0,9%, à temperatura ambiente e 4 concentrados de hemácias. Foi realizada gasometria arterial que revela pH = 7,15; PaO2 = 136 mmHg; PaCO2 = 36 mmg; bicarbonato = 12 mEq/L; excesso de base = - 8; saturação de oxigênio = 99%. O paciente apresenta sangramento microvascular difuso, inclusive de borda de ferida operatória, de difícil controle cirúrgico. Qual a combinação de diagnóstico e conduta mais adequada?
O quadril de uma criança apresentando exame físico com teste Ortolani (-) e Barlow (+) podemos dizer que o mesmo é:
Adolescente de 15 anos de idade previamente hígida é levada ao serviço de urgência com relato de febre há 3 dias, acompanhada de dor no hemitórax direito. Ao exame: 39ºC, taquicardia, murmúrio vesicular diminuído em 1/3 inferior do hemitórax direito. Radiologia do tórax revela consolidação na base direita. Neste caso, o agente etiológico mais provável e seu antibiótico de escolha é:
Mulher, 55 anos, apresenta formigamento em ambas as mãos, não associado a esforço ou atividade manual intensa. Sem doença pregressa. Ao exame físico, apresenta teste de Phalen positivo e, ao teste discriminativo digital, refere diminuição da sensibilidade dos dedos polegar, indicador e médio. ENMG recente aponta lentificação da velocidade sensitiva e motora do estímulo no punho. A síndrome mais provável dessa paciente é a do:
Compartilhar