Questões na prática

Clínica Médica

Reumatologia

Qual autoanticorpo tem maior frequência nos casos de Lúpus eritematoso sistêmico?

A
Anti-Sm
B
Anti-DNA nativo
C
Anti-RNP
D
Anti-La
E
Anticardiolipina
São dores pélvicas de causas não ginecológicas, EXCETO: Referência: ROTINAS EM GINECOLOGIA Fernando Freitas e cols. - Dor pélvica crônica.
Escolar de nove anos é levada a atendimento médico. Vem apresentando, há cerca de três semanas, dor de garganta, febre alta e prostração, tendo sido tratada apenas com antitérmicos. Há uma semana apresentou quadro de artrite de caráter migratório, acometendo tornozelos, joelhos, punhos e cotovelos. Há 48 horas iniciou o uso de ácido acetilsalicílico e hoje se encontra assintomática do ponto de vista articular, retornando à consulta porque surgiram caroços no corpo. Ao exame físico: articulações normais, ausculta cardíaca normal, nódulos indolores e móveis em algumas proeminências ósseas e topografia de alguns tendões. Exames laboratoriais: discreta leucocitose, plaquetas e série vermelha de valores normais; VHS: 50 mm na primeira hora; antiestreptolisina O(ASO):1250 U Todd. Entre os dados descritos, aquele que alerta para possível evolução para cardite é:
Assinale a alternativa que NÃO faz parte de um ciclo típico de fertilização in vitro (FIV) - ou injeção citoplasmática de espermatozoides (ICSI).
Paciente com 26 anos de idade, G3A2, vem à consulta referindo tempo de amenorreia de 8 semanas, confirmado pelo exame ecográfico pélvico transvaginal, e apresentando gravidez ectópica tubária à direita, íntegra, medindo 3,5 cm de diâmetro. Níveis de Beta-hCG de 1500 mUI/ml. Após assinar o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, é submetida a tratamento conservador com metotrexate na dose de 50 mg/m². Sobre esse diagnóstico e tratamento, assinale a alternativa correta.
Compartilhar