Questões na prática

Clínica Médica

Infectologia

Qual dos seguintes NÃO é um critério para definição de febre de origem obscura (FOO)?

A
Temperaturas axilares acima de 37,9º C em várias ocasiões
B
Leucograma normal em duas ou mais ocasiões
C
Duração da febre por mais de 3 semanas
D
Impossibilidade de estabelecer um diagnóstico a despeito de uma semana de internação hospitalar
ABF, sexo masculino, 42 anos, comparece ao pronto-socorro com quadro de dor intensa em tornozelo direito, sente dor até ao passar o lençol com 8 horas de evolução. Informa já ter apresentado dor e edema em hálux esquerdo 2 meses antes, com melhora após uma semana, tendo usado, à época, AINEs por conta própria. Nega febre, hiporexia. História de etilismo, três a quatro garrafas de cerveja, 3 e 4 vezes por semana. Não faz acompanhamento médico regular. Ao exame: FC: 84 bpm; PA: 150 x 90 mmHg; Tax: 37,8°C; FR: 16 irpmin. Presença de edema, calor rubor em tornozelo direito. Sem outras alterações ao exame físico. Exames laboratoriais: Hb: 14,6 g%; Ht: 43%; VCM: 92; GL: 14,230 (S: 72% L: 21% Mon: 6% Eo: 1%); Plaq: 323.000; Ureia: 33 mg/dL; Creatinina: 1,1 mg/dL; Ácido úrico: 6,2 (VR: 7,0 a 9,6); PCR: 86 mg/dL; RX tornozelo D: Aumento de partes moles, sem outras alterações. Com relação ao caso anterior, é CORRETO afirmar que:
Pré-escolar de quatro anos apresenta dor de ouvido unilateral ao tirar a camiseta para se preparar para o banho noturno. A mãe, aflita, não sabe se coloca gotas para dor de ouvido ou se dá analgésicos. O pré-escolar não apresenta elevação de temperatura (tax 36,8°C), alimentou- se bem e brincou muito durante o dia, tendo ficado na piscina por três horas. A principal hipótese diagnóstica é:
No 14º dia de nutrição parenteral, a fístula enterocutânea cicatrizou e o paciente consegue ingerir 80% de suas necessidades calóricas diárias. Passou a apresentar febre (até 38 °C) e foi isolada Candida parapsilosis em hemocultura. O local de punção do cateter central não apresenta sinais flogísticos. Conduta mais apropriada:
Lactente, com dois meses de idade, foi levado a consulta de rotina no consultório do Pediatra cooperado da Unimed-Rio. Seu perímetro cefálico está três desvios-padrão abaixo da média para idade e sexo. A mãe relatou que durante o primeiro trimestre da gestação teve Doença Exantemática Febril sem diagnóstico. O lactente apresenta cardiopatia congênita em investigação, retardo no crescimento, coriorretinite, catarata e surdez. Nesse caso a microcefalia deve ter sido causada por:
Compartilhar