Questões na prática

Clínica Médica

Endocrinologia

Qual o adenoma de hipófise mais frequente e qual a orientação terapêutica inicial mais utilizada?

A
Adenoma secretor de GH - radiocirurgia.
B
Adenoma não funcionante - cirurgia e radioterapia.
C
Adenoma secretor de prolactina - agonista dopaminérgico.
D
Prolactinoma - cirurgia transfenoidal.
E
Adenoma secretor de ACTH - cetoconazol.
Paciente, 37 anos de idade, primigesta com 32 semanas de gestação é acompanhada no ambulatório de pré-natal de alto risco por hipertensão gestacional estando em uso de alfametildopa 750 mg/dia. Na consulta médica, apresenta-se sem queixas. Após 30 minutos de decúbito lateral esquerdo, apresenta PA = 140 X 90 mmHg, porém com curva de pressão arterial média sistólica de 160 mmHg e diastólica de 105 mmHg. Atividade uterina ausente e BCF = 144 bpm. A cardiotocografia mostrou feto ativo e reativo. Qual é a conduta mais adequada?
Paciente, 42 anos de idade, sexo masculino, bancário, etilista crônico, ex-presidiário, casado e pai de 2 crianças de 7 e 9 anos de idade, comparece à consulta de rotina, para controle de diabetes mellitus. Durante a consulta, relata que vem apresentando tosse produtiva, associada a episódios de febre e redução ponderal de 5 kg, há 3 semanas, e que procurou o pronto atendimento da unidade há 1 semana, sendo lhe prescrito amoxicilina, que ele usou, sem qualquer melhora clínica. No exame físico, você identifica adenomegalia axilar à direita e sopro cavernoso em ápice pulmonar direito. O RX de tórax do paciente revelou a presença de velamento alveolar em ápice direito, com formação de caverna de 2,5 cm de diâmetro e a baciloscopia do escarro acusou a presença de BAAR++. Qual das condutas abaixo NÃO se aplicaria inicialmente a esse paciente?
Paciente, 6 meses de idade, previamente hígido vem ao atendimento com coriza nasal hialina há 5 dias; febre diária (2 picos que cedem com antitérmico) há 4 dias, e há 3 dias com chiado no peito e tosse seca. Houve diminuição do apetite neste período. Nota-se regular estado geral, taquidispneico, acianótico, anictérico e tórax com retração intercostal e subdiafragmática. A ausculta pulmonar evidencia murmúrio vesicular presentes, porém, diminuídos difusamente em bases posterior com aumento do tempo expiratório e sibilos esparsos. FR = 60 irpm e FC = 150 bpm. O diagnóstico e os agentes etiológicos comuns desta doença são:
Uma jovem é encontrada na sua casa desacordada e é levada para um Pronto Atendimento. Ao exame, apresenta-se com febre (T axilar 38,5°C), confusa, desorientada, com pupilas isocóricas e fotorreagentes, sem rigidez de nuca, e com hemiparesia desproporcional direita. Foi realizado um exame de tomografia computadorizada de crânio que observou lesão hiperdensa em região do lobo temporal esquerdo sem desvio da linha média. Foi realizada uma punção liquórica que evidenciou os seguintes achados em líquido cefalorraquidiano (LCR): celularidade 120 leucócitos, 80% linfócitos, 0 hemácias, 20% neutrófilos, proteína de 50 mg/dl, glicose 88 mg/dl, Pandy negativo, bacterioscopia negativa. Frente a estes achados a conduta CORRETA é:
Compartilhar