Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Obstetrícia

R.A.J.A.B. 28 anos, GIIIPIAI, com data da última menstruação em 20 de abril do corrente ano, possui antecedente de um abortamento espontâneo com 9 semanas e um natimorto na 37ª semana de gravidez. Realizou ultrassonografia transvaginal em 2 de junho demonstrando gestação tópica, com feto único com biometria compatível com 11 semanas e um dia. Foi encaminhada ao Hospital Universitário por apresentar teste de Coombs indireto 1/32. Nesta situação, a melhor conduta é:

A
Efetuar estudo dopplervelocimétrico da artéria cerebral média e caso o pico da velocidade sistólica for inferior a 1,5 múltiplos da mediana, interromper a gestação.
B
Efetuar estudo dopplervelocimétrico da artéria cerebral média e caso o pico da velocidade sistólica for superior a 1,5 múltiplos da média, interromper a gestação.
C
Realizar cordocentese para avaliação da anemia fetal.
D
Realizar amniocentese e espectrofotometria do líquido amniótico, conforme o gráfico de Liley, interromper a gestação.
E
Interromper a gestação.
Uma senhora de 76 anos tem diagnóstico de tumor maligno de sigmoide. Relata que há dois anos foi submetida a cirurgia de prótese de quadril e no pós-operatório evoluiu com confusão mental e alucinações. Diz que após a cirurgia nunca mais foi a mesma pessoa, tornando-se mais esquecida e tendo muita dificuldade para se concentrar. A respeito do delírio e disfunção cognitiva pós-operatória, é correto afirmar:
Recém-nascido a termo, pesando 2100g, com APGAR 4 no primeiro minuto e 6 no quinto minuto, apresentou policitemia com sintomas de hiperviscosidade no segundo dia de vida. Foi realizada exsanguineotransfusão parcial sem intercorrências. Após o procedimento, ficou 48 horas sem evacuar, apresentando hipoatividade e distensão abdominal com alças de delgado desenhadas em relevo sob a parede abdominal. Após suspender a amamentação, indica-se nutrição:
Pré-escolar de 4 anos, apresenta tosse crônica produtiva com expectoração purulenta desde os 3 anos, que se iniciou após episódio de crise de tosse intensa e súbita com duração de uma semana. Na semiologia pulmonar auscultam-se estertores na base pulmonar do hemitórax direito, e a radiografia do tórax evidencia imagens de dilatação brônquica localizadas no lobo inferior direito. A hipótese principal é:
Paciente de 1 mês de idade, sexo masculino, dá entrada no pronto socorro com quadro de desidratação grave. Segundo a mãe, a criança estava apresentando vômitos e fezes amolecidas há 2 dias, 5 a 6 evacuações diárias. Não apresentou febre. Refere também dificuldade em ganhar peso desde o nascimento. Ao exame físico a criança encontra-se em mau estado geral, desidratado grau 3, aspecto emagrecido, bolsa escrotal hiperpigmentada. Restante do exame físico sem particularidades. Os exames laboratoriais de entrada mostraram K = 6,0 mEq/L, Na=122 mEq/L, Uréia=25 mg/dl, Creatinina=0,5 mg/dl, Hb=13 mg/dl, VCM 82, Ht= 39%, 8.500 leucócitos (55% neutrófilos, 40 linfócitos, 3 % bastões, 2% monócitos). Qual o diagnóstico mais provável deste paciente?
Compartilhar