Questões na prática

Pediatria

Neonatologia

Rn do sexo masculino, com 32 semanas, apgar 7/8 nascido de parto cesáreo, de mãe com doença hipertensiva crônica, está internado na UTI em CPAP nasal, há 6 dias. Começou a apresentar letargia, instabilidade térmica, hipoperfusão periférica e distensão abdominal. Já estava sendo alimentado por sonda orogástrica, com fórmula para prematuro. O Rx de abdome demonstrou edema de parede intestinal e pneumatose intestinal. A hipótese mais provável é:

A
Sepse neonatal por Streptococcus.
B
Enterocolite necrosante.
C
Intolerância alimentar.
D
Colite alérgica grave.
E
Doença metabólica grave.
Um paciente de 45 anos, portador de cirrose hepática compensada ( Child A), foi atendido em um serviço de emergência com hemorragia aguda por varizes de esôfago. Após estabilização hemodinâmica, a próxima conduta é:
Em relação à DRGE é CORRETO afirmar:
Hiroito, 3 anos, compareceu ao consultório de sua pediatra com quadro de febre há mais de cinco (05) dias, a qual não respondeu ao uso de antibióticos, lesões orolabiais, hiperemia conjuntival, não exsudativa, exantema eritematomaculopapular, além de trombocitose. O garoto evoluiu com aneurisma coronariano. Qual a hipótese diagnóstica MAIS PROVÁVEL?
Pedrinho, 2 anos, após um quadro diarreico agudo associado com vômitos, passou a apresentar fraqueza muscular, retenção urinária, íleo paralítico, distensão abdominal, ptose palpebral, RHA (ruídos hidroaéreos) diminuídos e abafamento de bulhas. Que distúrbio hidroeletrolítico manifesta-se com esse quadro?
Compartilhar