Questões na prática

Clínica Médica

Gastroenterologia

Nefrologia

Hepatologia

São características da síndrome hepatorrenal, EXCETO:

A
eosinofilia e eosinofilúria.
B
insuficiência hepática com sódio urinário baixo.
C
reversível com transplante hepático.
D
histologicamente os rins são normais.
E
o uso de análogos de vasopressina associada à albumina tem bons resultados temporariamente.
Paciente de 32 anos apresenta gengivorragia ao escovar os dentes, bolhas hemorrágicas em cavidade oral e equimoses em membros inferiores há três dias. Está corada, afebril e não apresenta hepatoesplenomegalia. O hemograma revela Hcto 38%; Hb 13,5 g/dl; leucócitos 9.500/mm³ com 1% basófilos, 4% eosinófilos, 5% bastões, 70% segmentados, 16% linfócitos e 4% monócitos, plaquetas 18.000/mm³, TAP = 14 segundos com 85% de atividade, PTT = 37 segundos, a partir de sua hipótese. Em relação ao caso clínico, a partir de sua hipótese, a melhor conduta é:
Mulher de 25 anos refere tosse seca, dispneia progressiva e sudorese noturna há 2 meses. Ao exame clínico, palpa-se um gânglio cervical anterior esquerdo de +/- 3 cm. RX de tórax mostra alargamento mediastinal superior e tomografia de tórax revela se tratar de linfonodomegalias. A biópsia do gânglio cervical descreve a presença de células de Reed-Sternberg. O estadiamento clínico exclui outros sítios de acometimento da doença. O diagnóstico, o provável subtipo histológico e o estadiamento pela classificação de Ann Arbor são:
Paciente do sexo masculino, 67 anos, procura atendimento com queixa de astenia e dor em ombro direito que não cedeu com o uso de diversos anti-inflamatórios. Familiares relatam períodos de confusão mental. Ao exame: hipocorado ++/4+, hidratado, anictérico, com FR 32 irpm, FC 110 bpm, PA 140x90 mmHg. Os exames laboratoriais revelam: ureia: 130 mg/dl, creatinina: 3,5 mg/dl, K+: 5,0 mEq/L, Ca++: 13,0 mg/dl, P: 5,0 mg/dl, glicemia: 102 mg/dl, ácido úrico: 8,0 mg/dl, Hm: 2.780.000/mm3, Hcto: 26%, Hb: 10,0 g/dl, plaquetas: 130.000/mm3, proteínas totais: 7,8 g/dl, albumina: 3,2 g/dl, globulina: 4,6 g/dl. A causa mais provável da insuficiência renal é:
Além do comprometimento local e do aparecimento de metástases à distância, as células neoplásicas podem produzir uma serie de peptídeos que estimulam reações neurológicas, hematológicas, dermatológicas ou hormonais, originado as síndromes paraneoplásicas, dentre as quais:
Compartilhar