Questões na prática

Clínica Médica

Cirurgia

Cardiologia

Cirurgia do Trauma

São características hemodinâmicas do choque cardiogênico:

A
infarto miocárdio anterior, pressão sanguínea diastólica mais alta.
B
acometimento de somente um vaso coronariano, pressão sanguínea sistólica baixa.
C
infarto miocárdio anterior, fração de ejeção ventricular esquerda maior de 60%.
D
acometimento de três vasos coronarianos, pressão sanguínea diastólica baixa pressão em cunha pulmonar alta, pressão sanguínea diastólica alta.
E
pressão em cunha pulmonar alta, pressão sanguínea diastólica alta.
Após avaliar um paciente de 82 anos em virtude de episódios de quedas, você percebeu como fator causal uma alteração de marcha com paresia no membro inferior esquerdo. Quanto ao uso da bengala, nesse caso, qual a melhor orientação?
Os ossos da fileira proximal do punho são:
Quando utilizamos um corte coronal, dividimos o corpo em:
Mulher de 68 anos com diagnóstico prévio de megaesôfago chagásico foi internada para tratamento de pneumonia aspirativa. Prescreveu-se: amoxicilina-clavulanato, 1500 mL de soro glicosado a 5% para hidratação venosa e dieta enteral padrão (1,2 Kcal/ml) a 80 mL/h, durante 24 horas. A paciente evoluiu bem nos primeiros dois dias, observando-se desaparecimento da febre e redução da frequência cardíaca e respiratória. No 3º dia, desenvolveu diarreia (quatro episódios/dia) e edema discreto de membros inferiores. Exames laboratoriais neste dia: glicemia = 188 mg/dL, níveis séricos da ureia = 23 mg/dL, sódio = 133 mEq/L, potássio = 2,7 mEq/L e fósforo = 1,2 mg/dL. Qual o diagnóstico mais provável?
Compartilhar