Questões na prática

Clínica Médica

Endocrinologia

Cardiologia

São complicações possíveis da Hipertensão Arterial Sistêmica, exceto:

A
Insuficiência renal
B
Insuficiência cardíaca
C
Acidente vascular cerebral
D
Presença de cor-pulmonale
E
Presença de Retinopatia
Um homem idoso, diabético tipo II há 6 anos, com claudicação intermitente, angina estável e hipertensão arterial, procura nefrologista devido a rápido agravamento de sua disfunção renal. Sua creatinina, até então estabilizada em 1,8 mg%, chegou a 6,2 mg% em 1 semana, dias após o desenvolvimento de complicação relacionada ao uso de anticoagulação oral (hematúria macroscópica com alargamento do TAP), corrigida com ministração de vitamina K. Ao exame físico constata-se PA: 160 x 95 mmHg; Tax: 37,2º C; FR 20 irpm; FC 84 bpm. Coração em ritmo irregular por fibrilação atrial, pulmões sem adventícios, sopro carotídeo à esquerda e cianose bilateral dos pododáctilos. Ureia 98 mg%; Hb 11,8 g%; 6800 leucócitos/ mm3 ; 12% de eosinófilos; US renal com leve aumento bilateral de ecogenicidade, sem dilatação pieloureteral; Proteinúria de 330 mg nas 24h; Fundoscopia A3H2. Indique a melhor hipótese diagnóstica.
A falha anatômica na hérnia direta ocorre ao nível:
Quanto à febre amarela, os estudos apontam que:
Primigesta de 16 anos, sem acompanhamento pré-natal, com 31 semanas, apresenta cefaleia, epigastralgia e escotomas. A pressão arterial é de 140/100 mmHg. Recomendam-se, no caso dessa paciente:
Compartilhar