Questões na prática

Cirurgia

Cirurgia Pediátrica

São os três tipos mais frequentes, em ordem decrescente, de atresias do esôfago:

A
atresia com fístula traqueoesofágica distal, atresia sem fístula, atresia com fístula traqueoesofágica proximal.
B
atresia com fístula traqueoesofágica distal, atresia com fístula traqueoesofágica proximal, atresia com fístula traqueoesofágica distal e proximal.
C
atresia com fístula traqueoesofágica distal, atresia sem fístula, atresia com fístula traqueoesofágica distal e proximal.
D
atresia com fístula traqueoesofágica proximal, atresia sem fístula, atresia com fístula traqueoesofágica distal.
E
atresia com fístula traqueoesofágica proximal, atresia sem fístula, atresia com fístula traqueoesofágica distal e proximal.
Lactente de 18 meses, sem antecedentes alérgicos apresenta sintomas de resfriado comum por dois dias, com febre baixa, que evoluem subitamente para tosse ladrante e rouquidão. Ao ser levado para pronto-atendimento, observa-se estridor inspiratório à ausculta e hiperemia de orofaringe. Melhora rapidamente com uma nebulização contendo adrenalina e é liberado para casa, com prescrição de dexametasona via oral. O diagnóstico mais provável é o de:
São princípios básicos no tratamento cirúrgico das fraturas, exceto:
Um motorista de lotação, com 40 anos de idade, vem à USF com queixa de lombalgia há três dias, levando a dificuldade de se curvar, comprometendo sua atividade devido à dor intensa que se agrava com o decorrer do dia, durante o seu trabalho. Em uma escala decimal de dor, o paciente classificou a sua no grau 6. Ao exame físico não se evidenciou sinal de comprometimento radicular, com contratura importante da musculatura da região lombar. O paciente está ansioso e veio à unidade de saúde para que fosse solicitado um exame radiológico, pois acha que seu caso é sério. Você, como médico assistente:
Recentemente, estudiosos publicaram alguns marcadores como sinais maiores e menores para classificar um lactente com sibilância recorrente como asmático. Qual contém sinais maiores?
Compartilhar