Questões na prática

Cirurgia

Cirurgia do Trauma

Cirurgia Geral

Sobre o atendimento inicial ao paciente politraumatizado, é correto afirmar : I. O colar cervical não pode ser retirado em hipótese alguma enquanto não se houver descartado em definitivo a possibilidade de lesão de coluna cervical, devendo-se inclusive intubar o paciente sem removê-lo. II. Contra-indicação absoluta à intubação naso-traqueal é a apnéia (ausência de ventilação espontânea). III. As radiografias panorâmica de bacia, de coluna cervical (em 2 incidências pelo menos) e de tórax em AP devem ser obrigatoriamente realizadas em todo paciente politraumatizado, mesmo naqueles sem queixas. IV. O paciente politraumatizado vítima de traumatismo crânio-encefálico pode ser sedado para ser intubado, podendo-se utilizar midazolan, fentanil e até mesmo bloqueadores neuro-musculares como a succinilcolina. V. Paciente politraumatizado, após queda de andaime de 6 metros de altura, dá entrada no serviço de emergência com dor abdominal em flanco esquerdo, frequência cardíaca de 115 bpm, pressão arterial de 110 x 80 mmHg, ansioso e com frequência respiratória de 25 irpm. Encontra-se portanto em choque, sendo de causa hemorrágica até prova em contrário. VI. Hemoderivados devem ser prescritos em pacientes em choque hemorrágico sempre que houver uma resposta transitória após infusão de 2 + 2 litros de cristalóides rapidamente, ou quando não houver nenhuma resposta após infusão de 2 litros de cristalóides, sendo o sangue tipo O indicado naqueles pacientes com hemorragia grave, na ausência de sangue tipo específico ou no uso emergencial. Apenas em meninas e mulheres em idade fértil deve-se preocupar em administrar o tipo O - .

A
Se somente I, III e VI estiverem corretas.
B
Se somente I, II e III estiverem corretas.
C
Se somente II, IV, V e VI estiverem corretas.
D
Se somente I, II, IV, V e VI estiverem corretas.
E
Se somente I e III estiverem corretas.
Homem, 42 anos de idade, procurou atendimento médico em unidade básica de saúde, com história de diarreia há três meses, com fezes pastosas em grande volume, com restos alimentares e presença de gordura. Perda ponderal de 10 kg no período. Refere ingestão de meia a uma garrafa de aguardente por dia, desde a adolescência. Ao exame físico: bom estado geral, mau estado nutricional, consciente, orientado e hipocorado +/4+. Pressão arterial: 90/60 mmHg e frequência cardíaca: 102 bpm. Abdome escavado, flácido, discretamente doloroso à palpação profunda de epigástrio, sem sinais de defesa, sem visceromegalias ou massas palpáveis, ruídos hidroaéreos normativos. O mecanismo fisiopatológico que mais, provavelmente, explica a diarreia é:
Mulher, 25 anos de idade, foi atendida na unidade básica de saúde com queixa de pirose e regurgitação há 6 meses. Negava disfagia, náuseas, vômitos, sangramento digestivo e perda ponderal. Ao exame físico: bom estado geral, corada, hidratada, índice de massa corporal: 31 kg/m2, PA: 130/80 mmHg, frequência cardíaca: 84 bpm, abdome plano, flácido, indolor, sem sinais de defesa, sem visceromegalias ou massas palpáveis, ruídos hidroaéreos normais. A melhor conduta na abordagem inicial deste caso é:
Homem, 25 anos de idade, deu entrada no pronto-socorro com história de mordida de cobra no terço distal da panturrilha direita, há 4 horas. No momento, apresenta ptose palpebral e a urina da última micção, há poucos minutos, tem aspecto marrom escuro. A lesão na panturrilha direita consiste em duas perfurações, com leve hiperemia ao redor. Assinale a alternativa com as alterações da urina rotina mais prováveis deste paciente:
Mulher, 74 anos de idade, com neoplasia de mama e metástases ósseas, apresenta queixas de fraqueza muscular, náuseas, constipação intestinal e dores difusas, há 1 semana. Exame laboratorial evidenciou cálcio total = 15 mg/dl (normal: 8,5 a 10,5 mg/dl). A primeira conduta para este caso é:
Compartilhar