Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Obstetrícia

Tercigesta, com seis semanas, refere dor em baixo ventre e sangramento vaginal há três horas, associados a vômitos e dor no ombro direito. Exame físico: palidez cutâneo-mucosa, taquicardia e pressão arterial de 80 / 40 mmHg, presença de pequena quantidade de sangue em fundo de saco vaginal e dor a mobilização de colo uterino. A hipótese diagnóstica mais provável é:

A
gravidez ectópica.
B
apendicite aguda.
C
doença inflamatória pélvica.
D
descolamento cório-amniótico.
E
aborto infectado.
Durante o pré-natal do último filho, em paciente puérpera de 3 filhos, foi detectado que ela era portadora do vírus da Imunodeficiência humana tipo 1 (HIV-1) e do vírus da hepatite B. Apresenta carga viral do HIV-1 de 750cópias/mm3 e contagem de CD4 de 628cel/mL. Quanto ao manejo desta paciente, é recomendado:
O coriocarcinoma surge com maior frequência de:
Paciente feminina, 30 anos, procurou seu médico com queixas de crises de rubor em região cervical e face e episódios diarreicos. Foi tratada sintomaticamente por 30 dias e durante o acompanhamento desenvolveu, ainda, episódios de broncoespasmo acompanhando os sintomas anteriores que persistiam, e emagrecimento de 5 kg. Foram solicitados hemograma e Rx de Tórax sem alterações em seus resultados. Evoluiu com quadro de constipação e distensão abdominal acentuada. Realizou então Rx de Abdome agudo que demonstrou alças de intestino delgado dilatadas e níveis hidroaéreos. A alternativa que contém o exame que confirma o diagnóstico mais provável da paciente é:
Um paciente do sexo masculino de 68 anos procurou o ambulatório de cirurgia vascular com queixa de claudicação intermitente em membro inferior direito ao deambular aproximadamente 250 metros. Como antecedentes o paciente apresentava hipertensão arterial sistêmica controlada com duas classes de anti-hipertensivos, tabagismo de 1 maço/dia por 40 anos e negava diabetes mellitus. Ao exame físico vascular: membro inferior esquerdo: pulso femoral 2+/4; pulso poplíteo; tibial posterior e pedioso não palpáveis; membro inferior direito: pulsos femoral; poplíteo; tibial posterior e pedioso não palpáveis; boa perfusão de ambos os membros e sem gradiente térmico. Durante esta primeira avaliação, qual o método diagnóstico mais adequado a ser utilizado?
Compartilhar