Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Obstetrícia

Tereza, 19 anos, primigesta, inicia pré-natal na 25ª semana de gestação. Faz exames: grupo sanguíneo O Rh negativo, Du negativo, Coombs indireto: 1:16. Relata febre, astenia e discreto exantema generalizado em torno da 10ª semana de gestação, que involuíram espontaneamente. Não procurou atendimento médico à época. Como Tereza iniciou o pré-natal tardiamente, perdeu-se a oportunidade de realizar ultrassonografia transvaginal para avaliação de marcadores não invasivos biofísicos de doenças cromossomiais do feto. A opção que NÃO representa tais marcadores é:

A
translucência nucal
B
doppler do ducto venoso
C
implantação placentária
D
osso nasal
São frequentemente associados com tumores renais, EXCETO:
Nos casos de endocardite infecciosa em atividade de válvula nativa, em qual das situações abaixo não está indicado o tratamento cirúrgico?
Pacientes portadoras de traço falcêmico estão mais propensas, durante a gestação, a apresentarem:
Gestante de 30 semanas interna em trabalho de parto franco, com dilatação cervical de 6 cm, colo fino e centralizado, bolsa íntegra, apresentação cefálica em plano –1 de De Lee e FCF de 136 bpm. Em que pesem os esforços na tentativa de inibir a contratilidade uterina, o trabalho de parto evoluiu para o período expulsivo. Qual a ação mais importante a ser realizada pelo obstetra ao realizar um parto nesta situação?
Compartilhar