Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Obstetrícia

Tereza, 19 anos, primigesta, inicia pré-natal na 25ª semana de gestação. Faz exames: grupo sanguíneo O Rh negativo, Du negativo, Coombs indireto: 1:16. Relata febre, astenia e discreto exantema generalizado em torno da 10ª semana de gestação, que involuíram espontaneamente. Não procurou atendimento médico à época. Como Tereza iniciou o pré-natal tardiamente, perdeu-se a oportunidade de realizar ultrassonografia transvaginal para avaliação de marcadores não invasivos biofísicos de doenças cromossomiais do feto. Com 35 semanas de gravidez procura o médico com cefaleia escotomas e PA 150x100 mmHg. A melhor conduta é fazer sulfato de magnésio é:

A
aguardar o trabalho de parto espontâneo, de acordo com a vitalidade fetal
B
corticoterapia e cesárea após 24 horas, de acordo com as condições obstétricas.
C
aguardar o trabalho de parto espontâneo, de acordo com a ultrassonografia
D
indução do parto ou cesárea, de acordo com as condições maternas
Lactente de 3 meses dá entrada na emergência em Parada Cardiorrespiratória. Foram iniciadas manobras de reanimação, sem sucesso. Os pais contam que a criança nasceu a termo, nunca ficou doente, estava em aleitamento materno exclusivo, com desenvolvimento neurológico e ponderal normais. A criança mamou, ficou no colo por 15 minutos e foi colocada no berço, em decúbito ventral, sem cobertor. Como a criança não acordou para a próxima mamada, a mãe foi ao berço e a encontrou “roxa”. Em relação à orientação dos pais para prevenção da morte desta criança, assinale a alternativa correta:
Qual das estruturas a seguir não é uma membrana basal verdadeira?
Adolescente, 15 anos, sexo feminino, com tosse, febre, perda de peso, dispnéia, palidez, dor torácica, disfagia, derrame pleural, linfonodomegalia cervical e axilar. Rx tórax: massa mediastinal estendendo-se para hemitórax superior direito comprimindo a carina. A hipótese diagnostica é:
Paciente de 30 anos de idade foi trazido ao pronto-socorro após acidente automobilístico. O mecanismo do trauma foi esmagamento da região perineal no tanque da motocicleta, sem outros traumas (membros, craniano, tórax ou abdome). Após avaliação inicial, o paciente apresentou impossibilidade de urinar e o raio X não evidenciou fratura de bacia. Qual a hipótese diagnóstica e a conduta?
Compartilhar