Questões na prática

Clínica Médica

Gastroenterologia

Tumor maligno mais frequente no esôfago distal é:

A
Escamo celular.
B
Sarcoma.
C
Esôfago de Barrett.
D
Adenocarcinoma.
E
Leiomiossarcoma.
A experiência clínica demonstra que o fármaco ideal para o tratamento hipotensor da eclâmpsia deveria: reduzir a pressão arterial, principalmente a diastólica; atuar predominantemente sobre o fator humoral, responsável pela hipertensão; amenizar a resistência circulatória geral; melhorar o fluxo sanguíneo em cérebro, rins e sistema útero placentário; elevar o débito cardíaco e diminuir a excitabilidade neuropsíquica. Quais as drogas hipotensoras que mais se aproximam desses efeitos?
Paciente de 62 anos, masculino, com insuficiência renal crônica terminal, ocasionada por nefropatia diabética, é internado por fratura de colo de fêmur. Apresenta os seguintes exames laboratoriais: cálcio sérico- 10,2 mg/dl; fósforo- 5,5 mg/dl e PTH (paratormônio) intacto de 22 pg/ml (valor de referência- 10-65 pg/ml). Durante a cirurgia, foi realizada uma biópsia óssea. O achado mais provável é de:
Mulher, 38 anos, com retocolite ulcerativa inespecífica há 5 anos, refere piora súbita, caracterizada por febre, diarreia intensa, distensão e timpanismo abdominal. Com a suspeita de megacólon tóxico, o 1º exame a ser solicitado é:
Homem, 66 anos, em tratamento para HAS e diabete melito, apresenta icterícia e prurido há 2 semanas. É submetido à CPER sob anestesia com propofol IV. A contrastação da via biliar demonstra estenose no terço médio do colédoco com dilatação amontante. Doze horas após o procedimento, está obnubilado e com hipotensão arterial. Qual é a provável causa deste quadro clínico?
Compartilhar