Questões na prática

Clínica Médica

Pediatria

Endocrinologia

Infectologia

Pneumologia

Dermatologia

Neonatologia

Doenças Respiratórias

Um chefe de família recebe diagnóstico de tuberculose pulmonar e inicia o tratamento preconizado. A esposa, puérpera, apresenta quadro clínico e radiológico compatível com tuberculose pulmonar. O casal tem um filho de 5 dias de vida, nascido a termo, parto normal, pesando 3.240g, Apgar 9 e 10, que recebeu a vacina BCG. Qual a conduta diante do recém-nascido para protegê-lo das formas graves de tuberculose?

A
Fazer radiografia de tórax do recém-nascido, na presença de qualquer alteração rediológica iniciar o tratamento preconizado para tuberculose com rifampicina, isoniazida e pirazinamida por 6 meses e só depois vaciná-lo com BCG; se radiografia for normal, vacinar com BCG e fazer acompanhamento clínico.
B
Quimioprofilaxia com isoniazida por 3 meses e, após esse período, fazer a prova tuberculínica (PPD); se a criança for reatora, a quimioprofilaxia deverá ser mantida por mais 3 meses; caso contrário, interromper o uso da isoniazida e vacinar em BCG.
C
Realizar PPD; se for reator, fazer quimioprofilaxia com isoniazida por 6 meses e só após vacinar com BCG; se não for reator, vacinar o recém-nascido com BCG.
D
Fazer radiografia de tórax do recém-nascido e PPD; se exame rediológico for normal e o PPD não for reator, fazer a quimiprofilaxia com isoniazida por 3 meses e, após esse período, fazer nova prova tuberculínica; se a criança tornou-se reatora, a quimioprofilaxia deverá ser mantida por mais 3 meses; caso contrário, interromper o uso da isoniazida e vacinar com BCG. Caso RX de tórax e/ou PPD alterados, iniciar tratamento para tuberculose.
E
Fazer PPD no recém-nascido; se for reator iniciar tratamento com rifampicina, isoniazida, pirazinamida e etambutol; se não for reator, repetir o PPD em 6 meses, caso mantenha-se não reator, apenas acompanhar o recém-nascido em consultas de puericultura; se o PPD tornar-se reator iniciar o tratamento com rifampicina, isoniazida, pirazinamida e estambutol. Vacinar com BCG após término do tratamento.
A síndrome antifosfolípide relaciona-se à:
Acerca de esteato-hepatite não alcoólica, assinalar a alternativa CORRETA.
Dentre os exames complementares abaixo, aquele que deve ser realizado para o diagnóstico de doença celíaca, numa criança de 18 meses com diarreia crônica, é:
Paciente com endocardite infecciosa na válvula aórtica, em tratamento com antibiótico há quinze dias, está sem febre há oito. Subitamente, apresenta dor de forte intensidade no hipocôndrio esquerdo, seguida de febre e calafrios. A hipótese diagnóstica é:
Compartilhar