Questões na prática

Clínica Médica

Gastroenterologia

Neurologia

Um homem de 42 anos, com história de pirose retroesternal e regurgitação, fez endoscopia digestiva alta que evidenciou esofagite distal, classe B de Los Angeles. O teste da urease confirmou a presença de H. pylori. Neste paciente, a erradicação do H. pylori:

A
deve ser realizada, pois, em conjunto com o tratamento clínico da doença do refluxo gastroesofágico, melhora muito os índices de remissão dos sintomas
B
deve ser realizada, pois diminui os índices de recorrência dos sintomas após a interrupção do tratamento clínico da doença do refluxo gastroesofágico
C
só deve ser realizada se houver afecção gastroduodenal que a justifique
D
não deve ser realizada
E
deve ser realizada obrigatoriamente no pré-operatório, se o paciente tiver indicação cirúrgica
Paciente, 20 anos de idade, G1P0A0, dá entrada em serviço de emergência, com atraso menstrual de 15 dias, referindo dor em baixo ventre e sangramento por via vaginal há dois dias. Nega passado de DST. Ao exame, TA: 120 X 60 mmHg, PR: 70 bpm, temperatura de 36,8°C. Abdome plano, flácido e não doloroso à palpação. Ao toque, útero discretamente aumentado de volume, não doloroso. Não foram palpadas massas anexiais. Beta-HCG: 700 mUI/ml (terceiro padrão internacional). USG revela útero vazio e tumoração heterogênea de 1,5 cm, em região anexial esquerda. São fatores de risco para gravidez ectópica, exceto:
Uma mulher 72 anos é atendida com queixa de dor aguda, iniciada há dois dias, no joelho direito, que apresenta calor local pouco intenso. Exames laboratoriais revelam em hematócrito de 38%, 10.500 leucócitos com 70% de neutrófilos segmentados e 4% de bastonetes; ácido úrico de 5,5 mg/dl. A radiografia de joelhos demonstra presença de condrocalcinose. O diagnóstico mais provável é de:
São alterações fisiopatológicas do tamponamento cardíaco, EXCETO:
Os Mecanismos de Defesa do Ego, descritos por Anna Freud, que protegem o Ego de supostos – segundo Superego – danos, são:
Compartilhar