Questões na prática

Pediatria

Pediatria Geral

Um menino com 1 mês de vida, raça negra, morador de área urbana, é levado pelos pais à Unidade Básica de Saúde para atendimento de rotina e vacinação. Não é oferecido nenhum medicamento à criança, que recebe aleitamento materno exclusivo. O médico avalia a criança, que tem exame físico normal, com ganho de 40 g/dia desde o nascimento. Pergunta se oferecem vitamina D ao filho e a mãe diz que não considera necessário, já que oferece exclusivamente o seio. O médico deverá conversar com os pais e propor uma conduta. Considera-se CORRETO que o médico:

A
admita que a suplementação pode ser dispensada, enquanto a criança estiver em aleitamento materno exclusivo.
B
esclareça que morar em área urbana e ser de raça negra são considerados fatores de risco para raquitismo e que a oferta de vitamina D é segura e evita o aparecimento dessa doença.
C
admita que a suplementação é facultativa, desde que programem a coleta de cálcio e fósforo no sexto mês de vida da criança.
D
concorde com a mãe acerca do real efeito protetor do leite materno, mas aponte que a conduta, por ser universal, não pode ser individualizada, independentemente de não haver risco, como neste caso.
E
solicite radiografia de ossos longos.
Antonio Carlos, 35 anos, tem cirurgia eletiva programada devido à otoesclerose estapediana (estapedectomia). Mãe com diabetes tipo II e pai saudável. Exame físico: peso 91 kg, altura 1,80 m e circunferência abdominal 106 cm. PA 140 x 80 mmHg; PR 90 bpm. Aparelhos cardiovascular e respiratório sem alterações. Hérnia em região inguinocrural à direita, diagnosticada há cerca de 5 anos, assintomática. Exames: hemácias 4.980.000/mm³, Hb 15g/dl, Ht 45,4%, leucócitos 5500/mm³, plaquetas 320.000/mm³, TAP 100%, INR 1,0; glicemia 114 mg/dl, creatinina 1,3 mg/dl, (clearance creat 102 ml/min), ácido úrico 8,3 mg/dl, Na 140 mEq/l, K 4,7 mEq/l; triglicerídeos 160 mg/dl, HDL 35mg/dl, LDL 136 mg/dl; microalbuminúria 100 mg/24h. Níveis elevados de ácido úrico estão associados à obesidade, dislipidemia, hipertensão arterial sistêmica e diabetes. Um estudo, no qual 9.125 trabalhadores foram acompanhados por 23 anos, investigou a associação entre ácido úrico elevado e risco para doença coronariana. Os indivíduos com uricemia mais elevada tiveram risco maior de morrer por doença cardiovascular do que aqueles com ácido úrico mais baixo, sendo o risco relativo = 1,29 e IC 95% 1,05 - 1,58. Em relação ao perfil glicídico, a conduta é:
Carlos, 65 anos, relata que seu irmão faleceu recentemente de dissecção aguda de aorta e pergunta ao médico se pode ter a mesma doença e se deve fazer exames. Nega hipertensão, diabetes ou cirurgias prévias. Uma meta-análise reviu estudos para avaliar a acurácia da história clínica, do exame físico e da radiografia de tórax no diagnóstico de dissecção aguda da aorta torácica. Alguns dos resultados encontrados foram: (1) dor torácica intensa de início súbito mostrou sensibilidade de 84%; (2)o sopro diastólico mostrou razão de verossimilhança positiva de 1,4; (3). A sensibilidade de radiografia de tórax anormal foi de 90%. A curva enzimática mostra elevação de troponina e CPK-mb com queda precoce, caracterizando:
No quarto dia de internação, na Unidade Coronariana, Carlos apresenta dispneia de decúbito. Exame físico: FR 35 irpm, oximetria de pulso SaO2 89%, estertores crepitantes até 1/3 médio de ambos os pulmões, pressão venosa da jugular aumentada, presença de B3, sopro holossistólico (3+/6) em ápice, com irradiação para o bordo esternal esquerdo. A colocação de máscara de oxigênio com reservatório fez a SaO2 aumentar para 91%. O paciente mantém-se desperto, cianótico e com pulsos arteriais periféricos de baixa amplitude; FR 35 irpm, PA 125 x 90 mmHg. O traçado do ECG no monitor cardíaco não mostra arritmias. As medidas da pressão de oclusão de artéria pulmonar (PAOP), o débito cardíaco e o lactato sérico devem estar, respectivamente:
Homem de 69 anos, submetido à gastrectomia parcial com reconstrução gastrojejunal transmesocólica devido à neoplasia gástrica avançada. Nos 1º e 2º dias de pós-operatório deve-se administrar:
Compartilhar