Questões na prática

Pediatria

Oftalmologia

Um menino de 11 dias de vida, nascido de parto cesáreo a termo, foi levado à emergência devido à diarreia, pobre sucção, edema e vermelhidão palpebral bilateral. A secreção ocular surgiu dois dias após o parto e foi tratada com tobramicina colírio. Com cinco dias de vida, foi levado ao seu pediatra, devido à persistência da secreção ocular, temperatura de 39°C, diarreia e pobre sucção. O hemograma nesta ocasião mostrou valores normais e proteína C reativa elevada de 1,7 mg% (valor normal 1,2 mg%). Ele recebeu hidratação oral, colírio de tobramicina e gemidos e choro fraco, fontanela normotensa e não abaulada, edema e pequena lesão violácea bilateral na região Periorbitária associada a uma secreção amarelada sem cheiro, abdome flácido e ausência de hepatoesplenomegalia. A pele mostrava perda do turgor e elasticidade, sem evidências de petéquias ou rash; a criança foi submetida a uma completa avaliação para sepsis e foi iniciado o tratamento com ampicilina e ceftaxime. Um swab ocular e a hemocultura revelaram o agente etiológico. Um exame oftalmológico mostrou córnea e retinas intactas bilateralmente. Qual é o diagnóstico mais provável?

A
Sepsis por Estreptococos do grupo B
B
Sepsis por Pseudomonas
C
Sepsis por E.coli
D
Sepsis por Estafilococos coagulase negativa
E
Sepsis por clamídia
Qual, dos seguintes regimes, é o mais recomendado para a infecção criptocócica disseminada?
Paciente recém-nascido apresenta engasgos, salivação intensa, tosse durante a primeira amamentação. Evolui com distensão gástrica importante, confirmada por radiografia. Não houve sucesso na introdução de sonda nasogástrica, devido à impossibilidade de progressão. Frente ao caso clínico apresentado, o diagnóstico provável é:
Sobre a transmissão vertical de doenças , assinale a alternativa que apresente somente doenças passíveis de transmissão por estes mecanismos:
Um paciente do sexo masculino, 75 anos de idade, previamente hígido, dá entrada no serviço de emergência do hospital. Está com dor abdominal tipo cólica, distensão abdominal marcante, ruídos intestinais metálicos, desidratado e com dor à palpação superficial de todo o abdome. Apresentou dois episódios de vômitos volumosos de odor fecaloide e relata que não evacua nem elimina gases há 3 dias. Nega cirurgias prévias. O exame radiológico de rotina mostra distensão das alças intestinais com múltiplos níveis hidroaéreos, sinais de “empilhamento de moedas” e haustrações intestinais visíveis, sem ar no reto. Das seguintes qual seria a causa MAIS PROVÁVEL para este quadro de obstrução intestinal?
Compartilhar