Questões na prática

Clínica Médica

Gastroenterologia

Um paciente com megaesôfago, com diâmetro radiológico inferior a 5 centímetros, foi submetido a tratamento por dilatação pneumática por 2 anos, ao fim dos quais se apresentava assintomático. Não compareceu mais às sessões de revisão e, 3 anos após a última consulta, retornou com queixas de disfagia, regurgitação e emagrecimento acentuado. O exame contrastado do esôfago mostrou dilatação esofagiana superior a 7 centímetros. O tratamento mais indicado para este paciente, no momento, é:

A
Cirurgia de Heller.
B
Cirurgia de Thal-Hatafuku.
C
Novas sessões de dilatações com balão pneumático.
D
Fundoplicatura pela técnica de Nissen.
E
Injeção endoscópica de toxina botulínica no esfíncter esofagiano inferior.
A hipertermia maligna, que tem um índice de ocorrência de 1:15.000, está relacionada a administração de succinilcolina ou anestésicos halogenados e a suscetibilidade é herdada de acordo com um padrão:
Um paciente de 80 anos, apresentando TRÍADE DE CHARCOT apresenta quais sinais e sintomas?
Assinale a opção que corresponde a um dos sinais menores dos critérios de Jones modificados para o diagnóstico de Febre Reumática.
Primigesta, na 30ª semana procura a maternidade com queixa de perda de líquido pela vagina, há uma semana, e desconforto uterino há 12 horas. Temperatura axilar materna de 38,1ºC, pulso: 105 bpm, a ultrassonografia mostrou ILA de 3,2 cm, o leucograma evidenciou 17.200 leucócitos/mm³ e o teste de papel de nitrazina, positivo. Com esse quadro, além da antibioticoterapia, deve-se:
Compartilhar