Questões na prática

Clínica Médica

Gastroenterologia

Um paciente de 42 anos, masculino, apresenta-se a um serviço de emergência com queixa de dor abdominal difusa de forte intensidade, iniciada subitamente há 6 horas. Ao exame possui facies de dor e abdômen com rigidez intensa e defesa involuntária difusa. Seus exames de laboratório são inocentes, exceto por discreta leucocitose sem desvios. A rotina de abdome agudo mostra uma lâmina de ar abaixo da cúpula diafragmática direita. Se, durante uma laparotomia, fosse evidenciada uma lesão localizada na pequena curvatura próxima a incisura angularis, sem outra lesão ou doença associada, sua classificação seria uma úlcera gástrica do tipo:

A
1.
B
4.
C
3.
D
2.
Criança de 9 anos de idade, com quadro respiratório de evolução insidiosa há 3 semanas, iniciando com tosse inicialmente seca, coriza, odinofagia e febre baixa sem comprometimento do estado geral. Tratada com sintomáticos, não melhorou, evoluindo com tosse produtiva, característica coqueluchoide, dor torácica esporádica, febre moderada, queda do estado geral, FR = 36 rpm. A ausculta pulmonar apresenta MV rude, sibilos creptações. Mãe relata que já está usando amoxilina há 3 dias. Qual o provável agente etiológico nesse caso e qual a droga de escolha?
Um paciente vítima de trauma automobilístico é encaminhado à emergência com FR: 28 irpm, FC: 120 bpm, PA: 90 x 60 mmHg, Glasgow 7 e otorragia. Fazem parte do atendimento inicial ao paciente os seguintes procedimentos:
Assinale a opção que contém uma correlação INCORRETA de doença esofágica e seu tratamento:
Paciente, sexo feminino, 47 anos, há 4 meses usando dapsona, clofazimina e rifampicina. Há 4 dias, refere piora das três lesões de pele no abdome e braço direito (hiperemiadas e bordas elevadas). A palpação da goteira epitrocleana direita é muito dolorosa. Qual a conduta mais adequada?
Compartilhar