Questões na prática

Clínica Médica

Endocrinologia

Um paciente de 49 anos sabe ser portador de Diabetes Mellitus há cerca de 5 anos. Refere que há mais ou menos seis meses vem apresentando dificuldade na deambulação e que, há dois meses, só consegue andar com apoio. Ao exame neurológico é obervada marcha paraparética-atáxica e paresia dos quatro membros, sendo mais acentuada nos inferiores. Reflexos profundos abolidos, hiperestesia plantar com hipoestesia “em bota”. Ataxia nos quatro membros que piora com os olhos fechados e distúrbio de sensibilidade profunda. Pergunta-se, o paciente apresenta:

A
Mononeuropatia múltipla
B
Radiculopatia
C
Neurite transversa
D
Mielopatia
E
Polirradiculoneurite
Paciente, 74 anos de idade, refere lesão distrófica na perna direita há 1 mês. Na arteriografia observa-se lesão no território aorto-ilíaco à direita, TASC A. Para esta classificação do TASC (Transatlantic Inter-Societal Consensus), a melhor conduta é:
Recentemente a mãe percebeu um abaulamento no abdome do filho de 4 anos durante o banho, e o levou ao seu consultório para avaliação. Ele não possui história de vômitos ou dor abdominal e está com evacuações normais. O exame físico revela pressão arterial em repouso de 130/88mmHg, frequência cardíaca de 82bpm, palidez e uma firme massa abdominal lateral esquerda que não cruza a linha média. Qual é a explicação mais provável para esses achados?
Recém nascido com 18 dias de vida, apresentando distensão abdominal e vômitos biliosos persistentes, desde o nascimento. Seio materno exclusivo. Rx de abdômen evidenciou imagem da dupla bolha. O diagnostico provável, nesse caso, é:
Que composição tem a maior parte dos cálculos coraliformes?
Compartilhar