Questões na prática

Clínica Médica

Gastroenterologia

Um paciente do sexo masculino, 75 anos de idade, previamente hígido, dá entrada no serviço de emergência do hospital. Está com dor abdominal tipo cólica, distensão abdominal marcante, ruídos intestinais metálicos, desidratado e com dor à palpação superficial de todo o abdome. Apresentou dois episódios de vômitos volumosos de odor fecaloide e relata que não evacua nem elimina gases há 3 dias. Nega cirurgias prévias. O exame radiológico de rotina mostra distensão das alças intestinais com múltiplos níveis hidroaéreos, sinais de “empilhamento de moedas” e haustrações intestinais visíveis, sem ar no reto. Das seguintes qual seria a causa MAIS PROVÁVEL para este quadro de obstrução intestinal?

A
Câncer do cólon.
B
Fecaloma.
C
Volvo de sigmóide.
D
Doença diverticular.
E
Síndrome de Olgivie.
Uma jovem de 24 anos apresentou, há três semanas, quadro gripal de resolução espontânea. Há sete dias apresenta quadro de parestesias em mãos e pés, de caráter ascendente, associadas a diminuição de força nos quatro membros. Ao exame neurológico, observam-se tetraparesia flácida arreflexa e diparesia facial. O exame complementar que se relaciona com o quadro clínico da paciente é:
Pode-se falar sobre enxertos:
Na sala de parto, o pediatra deve estar atento para a perda excessiva de calor pelo recém-nascido. A razão mais provável da perda de calor logo após o nascimento é:
Paciente do sexo feminino, 45 anos, 60Kg, submetida a colecistectomia e anastomose biliodigestiva, sob anestesia geral para tratamento de colecistolitíase e grande dilatação coledociana. No pós-operatório imediato, a paciente permaneceu em jejum, recebeu cerca de 2.100mL de soros e apresentou diurese de 1.000mL. Não ocorreram, nesse período, perdas hídricas adicionais. Em relação à hidratação venosa pós-operatória no 1º dia pós-operatório (DPO) podemos afirmar, EXCETO:
Compartilhar