Questões na prática

Clínica Médica

Infectologia

Um paciente masculino, branco, 65 anos, com diabetes do tipo II, foi submetido à ressecção de tumor de cólon. Aos doze dias de pós-operatório, sob NPT e apesar da cobertura de antibióticos de amplo espectro, apresenta 38,5 ºC de temperatura axilar e instabilidade hemodinâmica. Entre outras alterações, os exames laboratoriais revelam leucocitose, creatinina de 2,8 mg/dL e hemocultura positiva para Candida krusei. Qual a conduta mais adequada em relação a esses achados?

A
Iniciar caspofungina IV, 70 mg no primeiro dia e 50 mg diários nos dias subsequentes.
B
Iniciar anfotericina B, 1 mg/kg/dia.
C
Iniciar voriconazol IV, 6 mg/kg/dia, seguidos de 4 mg/kg diários nos dias subsequentes
D
Iniciar fluconazol IV, 400 mg/dia.
E
Associar anfotericina B, 0,7 mg/kg/dia, e fluconazol IV, 200 mg/kg/dia.
Um homem de 47 anos, com história de alcoolismo importante, procura cuidados médicos com relato de fadiga, fraqueza generalizada, palpitações e dispneia aos médios esforços. Não apresenta sinais de comprometimento hepático. Dentre os exames complementares, chamava atenção uma hemoglobina de 8,8 g/dl (VN 13,5-17,5 g/dl), reticulócitos de 0,9% (VN - 0,5 a 1,5%), volume corpuscular médio (VCM) de 103 fL (VN 81-99 fL). O mecanismo mais provável da anemia é:
Um paciente está sendo investigado com suspeita de câncer de cólon e seu médico solicita dosagem de antígeno carcinoembrionário (CEA). Em relação à utlidade do antígeno carcinoembrionário nas neoplasias de cólon, assinale a alternativa CORRETA:
Desde a década passada, a Atenção Integral às Doenças Prevalentes da Infância (AIDPI) revelou-se uma estratégia adequada à disposição dos médicos, com um conjunto básico de intervenções baseadas em evidências científicas que permitem prevenir e tratar eficazmente as principais doenças e problemas que afetam a saúde nos primeiros anos de vida. Acerca dessas evidências, julgue o item. O caso de uma criança de dois anos de idade que tosse há três dias, consegue ingerir líquidos e que, ao exame físico, apresenta frequência respiratória de 50 incursões por minuto, sem retrações, estridor ou sibilância não deve ser classificado como pneumonia.
No item subsequente, é apresentada uma situação hipotética acerca das situações clínicas encontradas em ambulatório e emergência pediátricos, seguida de uma assertiva a ser julgada. Uma criança de 2 anos de idade, previamente saudável, apresentou dispneia e sibilância súbitas após crise de tosse ao acordar pela manhã. Uma radiografia do tórax mostrou atelectasia do lobo superior direito. Nessa situação, o diagnóstico clínico mais provável é de aspiração de corpo estranho e a criança deve ser submetida à broncoscopia como medida para confirmar o diagnóstico e proceder à terapêutica.
Compartilhar