Questões na prática

Clínica Médica

Infectologia

Dermatologia

Um paciente obeso, hipertenso controlado com vasodilatadores, alcoolista, não diabético, trabalha 16 horas por dia como vendedor em um bar da periferia. Refere ter no final do dia pernas que incham e pela manhã estão livres do edema. Há 4 dias, pela tarde, iniciou mal-estar geral caracterizado por dor no corpo, principalmente lombar, associando a dor na cabeça. Algumas horas depois apresentava febre alta e calafrios sendo necessário o agasalhamento. Esta situação se seguiu de dor em queimação intensa na perna esquerda, precedida de prurido, e o local se tornou avermelhado, em uma grande placa circinada que envolvia a região desde o pé até próximo do joelho. Houve aumento do volume da perna. Refere que surgiram adenopatias inguinais e se formaram bolhas, sem sangue, na região eritematosa. No caso clínico anterior, o melhor tratamento para a condição diagnosticada é:

A
Anorexígenos, caminhadas e abstenção do álcool.
B
Acrescentar diuréticos à medicação anti-hipertensiva.
C
Prescrever linfagogos e linfocinéticos.
D
Penicilina benzatina ou cristalina sob internação.
E
Nenhum item acima.
No pronto-socorro: jovem de 22 anos do sexo feminino dá entrada com dor ocular e derrame intraocular, após trauma contuso. Qual seria a conduta correta até a chegada do especialista? Assinale a CORRETA:
Em casos de epistaxe persistente pode ser necessário que o médico da Atenção Básica realize o tamponamento nasal posterior. Sobre a técnica deste procedimento com gaze, é CORRETO afirmar que:
Lactente de 5 semanas de vida, com distensão abdominal acentuada e evacuação explosiva ao toque retal. Os pais relatam também que o mesmo apresentou retardo de eliminação do mecônio. O Enema Opaco do paciente demonstrou a clássica imagem do "Cone de Transição". O provável diagnóstico nesse caso é:
Criança do sexo masculino, de 1 ano e 2 meses de idade, deu entrada no pronto atendimento com história de evacuações escurecidas e de odor forte há 4 horas. A mãe dele negou dor, vômitos, febre, alterações cutâneas ou vacinação recente. Ela relatou ainda que a criança já havia apresentado 2 episódios de evacuações com grande quantidade de sangue, nos quais necessitou até de transfusão sanguínea. Qual é o diagnóstico?
Compartilhar