Questões na prática

Clínica Médica

Gastroenterologia

Um paciente submetido a peritonectomia com quimioterapia hipertérmica intraperitoneal para tratamento de carcinomatose peritoneal por tumor mucinoso de apêndice evolui no pós-operatório com fósforo sérico de 1,8 mg/dL. É correto afirmar:

A
Como 80% do fósforo se encontra nos ossos, o nível sérico não deve ser usado como guia para indicar nem monitorar a reposição
B
A hipofosfatemia no pós-operatório é decorrente principalmente da redução da absorção intestinal
C
A hipofosfatemia deve ser corrigida indiretamente com hidróxido de alumínio, para aumentar a absorção intestinal
D
Está indicada reposição de fósforo com fosfato de sódio ou fosfato de potássio, se os níveis séricos de fósforo estiverem abaixo de 2,0 mg/dL
E
A hipofosfatemia é normalmente associada a acidose, que deve ser compensada com hidratação e uso de acetazolamida
Nas cardiopatias congênitas acianóticas com fluxo pulmonar aumentado, qual deve ser a maior preocupação?
Criança, 4 anos, feminina, atendida no PA com relato de ter apresentado crise convulsiva tônico-clônica generalizada de curta duração, acompanhada de febre elevada sem passado mórbido anterior e com bom estado geral. A conduta mais adequada frente ao caso é:
O Brasil recebeu recentemente o certificado de erradicação da poliomielite em seu território. As campanhas nacionais de vacinação com a vacina Sabin foram as responsáveis por este resultado. A estratégia em que se baseiam estas campanhas é a :
Homem, 67a, queixa-se de hematúria macroscópica sem outros sinais ou sintomas associados. Submeteu-se a investigação com ultrassonografia abdominal que evidenciou duas tumorações vesicais, medindo cada uma 2,5 cm, no fundo e na parede lateral esquerda, respectivamente. O paciente submeteu-se a Ressecção Endoscópica Transuretral (RTU) das lesões, a qual foi completa. Anatomopatológico demonstrou carcinoma urotelial papilífero de alto grau histológico com comprometimento do tecido conjuntivo subepitelial (pT1). Foram encontrados focos de carcinoma urotelial in situ concomitantes. Qual a conduta?
Compartilhar