Questões na prática

Clínica Médica

Pediatria

Gastroenterologia

Pediatria Geral

Uma menina de 11 meses é internada numa unidade pediátrica com história de diarreia que teve início há três dias, com várias evacuações líquidas e volumosas por dia e com sinais de desidratação grave. A mãe relata febre baixa há um dia. Mas nega vômitos. Após a reposição volêmica inicial são colhidos os seguintes exames: Na = 129 mEq/L; K = 3,5 mEq/L; Ca = 9,4 mg% e Na fecal de 120 mEq/L. Com base nos dados acima, trata-se de diarreia, provavelmente:

A
Toxigênica, possivelmente devido à Escherichia coli.
B
Osmótica, possivelmente devido à Yersinia enterocolítica.
C
Invasiva, possivelmente devido ao Rotavírus.
D
Toxigênica, possivelmente devido à Salmonella enteritidis.
E
Osmótica, possivelmente devido à Shigella flexneri.
Frente a uma mulher, sexualmente ativa com dor pélvica, dispareunia ou diante de sinais de dor à palpação das fossas ilíacas ou muco cervical turvo ou purulento ou friabilidade cervical, deve-se ter em mente providenciar o tratamento no momento da consulta dos seguintes patógenos:
Paciente de 32 anos, usuária de anticoncepcional oral, apresenta-se com queixa de corrimento vaginal amarelado, abundante, fétido, com prurido vulvar e dispareunia. Ao exame especular, nota-se corrimento abundante e espumoso com cervicite focal. O pH vaginal é de 6,0. O diagnóstico etiológico provável é:
Um homem de 62 anos, com história de alcoolismo crônico, tem nível sérico elevado de alfa-fetoproteína. Ao exame físico, não há massas ou linfonodos palpáveis. A pesquisa de sangue oculto nas fezes é negativa. Qual o tumor mais provável desse paciente?
Paciente de 64 anos, sexo masculino, residente em casa geriátrica em Fortaleza, sem cartão de vacina. Não se lembra quando se vacinou pela última vez. O Ministério da Saúde recomenda imunização contra quais doenças neste caso?
Compartilhar