Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Obstetrícia

Uma mulher de 20 anos, com vida sexual ativa desde os 14 anos, com o desejo de gestar e atraso menstrual de 50 dias, iniciou um quadro clínico de dor pélvica e discreto sangramento via vaginal de coloração escura há 03 dias. Apresenta como antecedentes gineco-obstétricos um relato de abortamento espontâneo aos 15 anos de idade e um período de internação de 5 dias por “inflamação na barriga”, há 3 anos. Ao exame clínico há palidez cutaneomucosa de +3/4+, pressão arterial de 90x45mmHg, frequência cardíaca de 100bpm. Os exames complementares mostram teste sanguíneo de B HCG positivo para gravidez e dosagem de hemoglobina de 6,9g/dl. Diante desse quadro clínico, a prenhez ectópica é um dos diagnósticos prováveis e afirma-se que:

A
incide em cerca de 1,5 a 2% das gestações sendo a forma tubária ocorrendo em mais de 95% dos casos.
B
a prenhez cervical é por definição clássica uma prenhez ectópica.
C
a prenhez abdominal incide em cerca de 1,5% dos casos com risco de morte materna de 2 vezes superior ao da gestação tubária.
D
o destino da prenhez ectópica independe da localização e das formas clínicas.
Um homem relata episódios dolorosos em queimação acometendo ambos os pés, que sempre se acompanham de aumento da temperatura e de eritema, desencadeados por aumento da temperatura ambiente e pelo caminhar, com melhora após a imersão daquelas extremidades em água fria. Hemograma, único exame realizado, evidencia contagem de plaquetas de 550.000/mm3. Dentre as citadas, a melhor hipótese diagnóstica é:
Na hepatite alcoólica usa-se o seguinte critério para a indicação de tratamento com corticosteroide:
Menino de 9 anos apresenta exoftalmia unilateral de evolução rápida. A principal hipótese diagnóstica é
Lactente de um ano de idade, nascido a termo e com peso adequado, é atendido em uma consulta de puericultura. Os pais trazem a criança regularmente e ela está com o esquema de vacinação preconizado pelo Ministério da Saúde rigorosamente em dia. Quais vacinas você orientaria para a criança receber nesta visita, seguindo o calendário do Ministério da Saúde?
Compartilhar