Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Obstetrícia

Uma mulher de 20 anos, com vida sexual ativa desde os 14 anos, com o desejo de gestar e atraso menstrual de 50 dias, iniciou um quadro clínico de dor pélvica e discreto sangramento via vaginal de coloração escura há 03 dias. Apresenta como antecedentes gineco-obstétricos um relato de abortamento espontâneo aos 15 anos de idade e um período de internação de 5 dias por “inflamação na barriga”, há 3 anos. Ao exame clínico há palidez cutaneomucosa de +3/4+, pressão arterial de 90x45mmHg, frequência cardíaca de 100bpm. Os exames complementares mostram teste sanguíneo de B HCG positivo para gravidez e dosagem de hemoglobina de 6,9g/dl. Diante desse quadro clínico, a prenhez ectópica é um dos diagnósticos prováveis e afirma-se que:

A
incide em cerca de 1,5 a 2% das gestações sendo a forma tubária ocorrendo em mais de 95% dos casos.
B
a prenhez cervical é por definição clássica uma prenhez ectópica.
C
a prenhez abdominal incide em cerca de 1,5% dos casos com risco de morte materna de 2 vezes superior ao da gestação tubária.
D
o destino da prenhez ectópica independe da localização e das formas clínicas.
Todos os fatores abaixo estão associados a um risco aumentado de desenvolvimento de câncer do estômago, exceto:
Um homem de 65 anos de idade, hipertenso, tabagista, portador de fibrilação atrial crônica, refere forte dor abdominal periumbilical e vômitos há 10 horas. A dor foi aumentando progressivamente. Está afebril, com perfusão periférica ruim, apresentando livedo reticular em membros inferiores. Pulso: 110 bpm; PA: 90 × 50 mmHg. Abdome pouco distendido, sem sinais de peritonismo nem massas palpáveis. Principal hipótese diagnóstica e conduta:
A tétrade clássica ou tétrade de Sabin da toxoplasmose congênita é constituída de:
Pacientes portadores de tumores pancreáticos, cistoadenomas epidimários, feocromacitomas e cistos renais bilaterais. Qual o diagnóstico da síndrome endócrina hereditária:
Compartilhar