Questões na prática

Clínica Médica

Endocrinologia

Pneumologia

Paciente feminino, 49 anos, emagrecimento de 8 kg nas últimas 4 semanas, insônia, tremores e labilidade emocional. Peso atual = 72 kg. Tireóide de tamanho normal, sem nódulos, móvel e de consistência fibroelástica. Exames laboratoriais: TSH 0,001 (referência: 0,4-4,0mUI/mL) e T4L 1,60 (referência: 0,8-1,9ng/dL). Anticorpo anti-tireoglobulina positivo. Captação tiroidiana nas 24h (I131): 20%. A PRINCIPAL HIPÓTESE diagnóstica é: Referência: GOLDMAN, L.; AUSIELLO, D. Cecil - Tratado de Medicina Interna - 21ª Edição

A
Tireotoxicose
B
Doença de Graves
C
Tireoidite subaguda
D
Administração exógena de levotiroxina
E
Nenhuma das alternativas acima (A, B, C ou D) está correta
Paciente com 30 anos, Go Po Ao, múltiplos parceiros, mantendo relação sem preservativos, chega ao serviço de saúde com queixa de corrimento vaginal fétido, purulento e prurido vulvar. Ao exame físico, nota-se secreção amarelada, exsudando pela vagina, eritema vaginal segmentar e colpite macular. Nesse caso, deve-se solicitar:
Homem, 66 anos, em tratamento para HAS e diabete melito, apresenta icterícia e prurido há 2 semanas. É submetido à CPER sob anestesia com propofol IV. A contrastação da via biliar demonstra estenose no terço médio do colédoco com dilatação amontante. Doze horas após o procedimento, está obnubilado e com hipotensão arterial. Qual é a provável causa deste quadro clínico?
Homem, 62 anos, tratou neoplasia de próstata por prostatovesiculectomia radical e linfadenectomia obturadora. O exame anatomopatológico revelou adenocarcinoma de próstata Gleason 7 (4+3), com invasão bilateral de cápsula e margens cirúrgicas extensamente comprometidas e linfonodos obturadores negativos para neoplasia. PSA zerou no PO, mas tornou-se maior que 0,2ng/mL 18 meses após a cirurgia. Qual a melhor conduta?
Os pontos anatômicos que dividem as hemorragias digestivas e a obstrução intestinal em alta e baixa, respectivamente, são:
Compartilhar