Questões na prática

Clínica Médica

Cirurgia

Neurologia

Cirurgia do Trauma

Uma mulher de 40 anos que estava dirigindo, usando cinto de segurança, chega ao pronto-socorro adequadamente imobilizada. Está hemodinamicamente normal. Apresenta paraplegia com nível em T10. O exame neurológico revela também perda da sensibilidade para dor e temperatura com preservação da propriocepção da vibração. Estes achados são consistentes com o diagnóstico de síndrome:

A
Central da medula.
B
Do choque medular (ou espinhal).
C
Anterior da medula.
D
Completa da medula.
E
De Brown-Séquard.
Em relação ao rastreamento precoce do câncer de próstata, assinalar a alternativa CORRETA.
Sobre os riscos de infecção como complicação de procedimentos cirúrgicos potencialmente contaminados em pacientes com idade avançada, assinalar a alternativa CORRETA.
RN a termo, bolsa rota há 36 horas, nasceu com Apgar 6/7; evoluiu nas primeiras 2 horas com taquipneia, taquicárdia, palidez, acrocianose e hipoatividade. Sua conduta é:
Um homem sadio, de 26 anos de idade, após retornar de viagem, apresenta faringite, cefaleia e febre. No dia seguinte surgem: dor torácica pleurítica na base do hemitórax direito, tosse produtiva com escarro ora claro, ora com hemoptoicos e dispneia. Atendido no pronto-socorro encontra-se taquipneico, o exame físico do tórax revela estertores na base direita e na região infraclavicular esquerda, além de roncos e sibilos esparsos bilaterais removíveis com a tosse; há macicez à percussão e FTV aumentado na base direita, o paciente se encontra febril, sudoreico e inquieto, a pressão arterial é 100 x 70 mmHg e há taquicardia com 110 bpm. A saturação periférica de oxigênio medida no oxímetro de pulso em ar ambiente é de 92% e o radiograma torácico revela opacidades alveolares com broncograma aéreo na metade inferior do pulmão direito e no terço superior esquerdo. Qual a melhor conduta a ser adotada no pronto-socorro?
Compartilhar