Questões na prática

Clínica Médica

Cardiologia

Uma paciente é trazida pelo resgate ao pronto-socorro em parada cardiorrespiratória. São iniciadas compressões torácicas e ventilação com bolsa após intubação traqueal. A monitoração eletrocardiográfica mostrou ritmo de fibrilação ventricular. Realiza-se cardioversão elétrica com recuperação a ritmo sinusal, mas a paciente continua inconsciente. A medida terapêutica que pode melhorar o resultado neurológico de seu tratamento posterior é:

A
hipotermia.
B
nimodipina e vitamina E.
C
coma barbitúrico.
D
neuroproteção com citicolina.
Algumas comorbidades requerem abordagens específicas no pré, per e pós-operatório. Marque a alternativa CORRETA dentre as afirmativas abaixo:
Um rapaz de 19 anos procura o pronto-socorro com queixa de hematêmese e melena há 1 dia. Esteve internado por 22 dias por trauma abdominal fechado, com lesão hepática grau IV. Não foi operado. Está descorado e ictérico. Frequência cardíaca: 123 batimentos por minuto; pressão arterial: 86 × 45 mmHg. Foi reanimado com 2 litros de Ringer lactato e submetido à endoscopia digestiva que excluiu lesão gástrica ou duodenal. Próximo passo na investigação diagnóstica:
Um paciente de 48 anos tem diagnóstico de cirrose hepática por vírus B e está na fila de transplante hepático. Vem tendo hematêmese há 2 dias. Realizou endoscopia digestiva alta há 24 horas, que mostrou varizes esofágicas de grosso calibre. Não foi possível parar o sangramento com esclerose ou ligadura. Logo após a endoscopia, foi passado balão esofágico, para controle do sangramento. Foi introduzida terlipressina. Após 24 horas, foi retirado o balão e feita nova endoscopia, mas não houve sucesso no controle da hemorragia das varizes. Melhor conduta neste momento:
Um senhor de 65 anos foi submetido à retossigmoidectomia convencional eletiva, com anastomose colorretal, por neoplasia de reto. Não houve intercorrências na operação. O paciente é hipertenso, diabético e ex-tabagista. Teve infarto agudo do miocárdio há 8 meses, tendo sido feita angioplastia e colocação de stent. O paciente apresentou febre de 38,1°C no 4º dia pós-operatório. Provável causa da febre e conduta a ser adotada:
Compartilhar