Questões na prática

Ginecologia e Obstetrícia

Obstetrícia

Ginecologia

Uma paciente procura um pronto socorro, em 8/11/08, com queixa de dor em cólica em hipogástrio e sangramento transvaginal. Na história, encontra-se DUM em 10/09/08, Gesta I, para I e aborto 0. Nega método contraceptivo. Vida sexual ativa. Sem antecedentes pessoais e familiares, informa que já tinha feito teste de gravidez há 2 dias (?-HCG 10.200 mUI/mL). Ao exame físico: colo fechado, levemente doloroso, sangramento de pequena quantidade, útero amolecido, palpa-se no toque bimanual em fundo de saco lateral esquerdo uma massa de consistência “borrachosa”, sensível no local, em torno de 2 cm. Lado direito livre. É realizada uma ultrassonografia transvaginal e apresenta laudo: Útero com miométrio homogêneo, eco endometrial espesso e complexo, volume uterino de 81 cm³, massa heterogênea 2 cm em anexo esquerdo, ovário direito de textura habitual medindo 3 cm³, fundo de saco livre. Exames laboratoriais: ?-HCG 6.800 mUI/mL, progesterona sérica 15ng/mL, hematócrito 38% hemoglobina 12g/dL, leucócitos 6.800 mm³ (sem desvio para a esquerda). Qual o seu diagnóstico e conduta?

A
Aborto incompleto e cisto de ovário. Fazer curetagem e acompanhar níveis de ß-HCG até negativar e controle ultrassonográfico do cisto.
B
Mola hidatiforme e cisto de ovário. Fazer curetagem e acompanhar níveis de ß-HCG até negativar e controle ultrassonográfico do cisto.
C
Espessamento endometrial e cisto de ovário. Fazer aspiração manual intra-uterina (AMU) diagnóstica, repouso e acompanhar níveis de ß-HCG em 48 horas.
D
Prenhez ectópica. Conduta expectante, repouso e acompanhar níveis de ß-HCG em 48 horas. Se continuarem em níveis decrescentes, fazer controle até sua negativação.
E
Prenhez ectópica. Fazer laparotomia para explorar massa anexial e acompanhar níveis de ß-HCG até sua negativação.
A polirradiculoneuropatia inflamatória desmielinizante aguda apresenta-se geralmente de forma simétrica. O seu diagnóstico pode ser corroborado com os seguintes achados nos exames complementares:
Uma paciente feminina de 72 anos de idade apresenta quadro súbito de fraqueza da mão direita e hemiface direita, disfasia e hemianopsia homônima direita. Nesse caso, houve oclusão da artéria:
Paciente de 36 anos de idade apresenta fraqueza da mão esquerda. Ao exame observa-se atrofia do músculo primeiro interósseo dorsal. Isso pode indicar lesão em que raiz espinhal?
Você atende em uma unidade de emergência um adolescente de 16 anos de idade que fez corte na mão enquanto partia tomates num restaurante fastfood. Sua mãe, contactada por telefone, afirma que ele não é imunizado desde os 5 anos de idade, garantindo que as imunizações estavam completas até aquela idade. A escolha mais apropriada para a profilaxia contra o tétano para esse paciente é:
Compartilhar