Questões na prática

Psiquiatria

Psiquiatria

Uma senhora de 76 anos tem diagnóstico de tumor maligno de sigmoide. Relata que há dois anos foi submetida a cirurgia de prótese de quadril e no pós-operatório evoluiu com confusão mental e alucinações. Diz que após a cirurgia nunca mais foi a mesma pessoa, tornando-se mais esquecida e tendo muita dificuldade para se concentrar. A respeito do delírio e disfunção cognitiva pós-operatória, é correto afirmar:

A
Estão associados a índices de mortalidade hospitalar elevados
B
As sequelas atribuídas ao que aconteceu à paciente no pós-operatório não têm relação direta com seus déficits atuais
C
Como ocorrem logo nos primeiros dias de pós-operatório, não aumentam o tempo de hospitalização
D
Embora a disfunção cognitiva pós-operatória ocorra comumente em cirurgia cardíaca, raramente ocorre em cirurgia não cardíaca
E
Embora comuns, não estão associados a má evolução no pós-operatório
São doenças crônicas frequentemente encontradas como sequelas típicas da prematuridade extrema:
Uma mulher de 46 anos, casada, costureira, faz uso de diazepam (20 mg/dia), diariamente, há 15 anos. A medicação foi prescrita no início em unidades de emergência e desde então vem sendo utilizada pela paciente. A paciente não apresenta sinais e sintomas condizentes com transtornos de ansiedade, mas refere não conseguir dormir sem o uso da medicação. Ao consultar sua Médica de Família e Comunidade (MFC), ambas decidem pela retirada da medicação. Qual deve ser a proposta terapêutica?
A resolução CFM nº 1.480/97 aborda a Morte Encefálica e detalha a “Prova da Apneia” como realizada de acordo com um protocolo que inclui:
O risco de desenvolvimento de carcinoma da vesícula biliar em pacientes portadores de litíase vesicular está especialmente relacionado a:
Compartilhar