Questões na prática

Clínica Médica

Neurologia

Hematologia

Você é chamado para avaliar um homem de 78 anos que vem progressivamente, ao longo dos últimos dois anos, com dificuldade de marcha e paraparesia espástica lentamente progressiva. Queixa-se de parestesias nas mãos e pés e refere que, às vezes ao tossir ou espirrar, sente piora da fraqueza nas pernas e um choque no braço esquerdo. Ao exame nota-se paraparesia espástica, diminuição da sensibilidade vibratória nas pernas, sinal de Romberg, hiper-reflexia nos membros inferiores, cutaneoplantar em extensão bilateralmente, atrofia da musculatura intrínseca das mãos mais à esquerda, diminuição do reflexo bicipital bilateralmente. Ele tem bom estado geral, está corado e anictérico, tem humor diminuído e chora ao ser examinado. A melhor hipótese diagnóstica inicial é:

A
depressão.
B
deficiência de vitamina B12.
C
esclerose lateral amiotrófica.
D
mielopatia espondilítica cervical.
Paciente masculino, 44 anos, obeso, solicita atendimento devido a dor periumbilical há mais de 24 horas, sintomas de obstrução intestinal e febre. Apresenta história de hérnia umbilical. Ao exame físico, constatam-se: Tax=38,5°C; dor; espessamento e eritema próximo à região umbilical. O diagnóstico mais provável nesse caso é:
Você está atendendo em um pronto-socorro e dá entrada um paciente de 2 anos, em coma com sinais de hipoventilação por intoxicação exógena provocada por diazepam. Responda, qual o antagonista para ser usada nesta situação?
São causas de pneumotórax espontâneo, exceto:
Uma paciente de 48 anos, hipertensa há 6 anos, apresenta dificuldade para controle dos níveis pressóricos, apesar de 15 mg de enalapril, 12,5 mg de hidroclortiazida e 5 mg de amlodipina. Ao exame clínico: IMC: 24; PA: 165x105 mmHg; coração: 4ª bulha, ausência de sopros abdominais; presença de pulsos radiais e pediosos normais e simétricos, sem edemas. Os exames laboratoriais mostram: Hb 14g/dl; Htc: 42%, glicemia de jejum 92mg/dd, ureia: 52mg/dl, creatinina: 0,9mg/dl; Na: 138mEq; K:3,4mEq. Seu ECG mostra sobrecarga ventricular esquerda com alterações difusas da repolarização ventricular. Na sequência de avaliação, qual exame seria mais útil?
Compartilhar