Outros

Rapport: como construir uma relação empática com seu paciente | Colunistas

Rapport: como construir uma relação empática com seu paciente | Colunistas

Compartilhar

Comunidade Sanar

5 min há 759 dias

“Olá!”, “Bom dia! Boa tarde!”, “Como você se chama?”, “Meus sentimentos”… Haveria outra palavra para descrever essas cordialidades? Talvez, Simpatia. Mas, o que é simpatia? É o ato de se compadecer por alguém, extrapolando questões ditas racionais, e converter tal sentimento em um bom tratamento. Importa que esse conceito esteja bem construído e conciso para você, leitor. Abordaremos aqui o Rapport, cuja palavra mais próxima para traduzir na língua portuguesa é a empatia, muitas vezes confundida com a simpatia.

O que é Rapport?

De origem francesa, essa palavra abarca um enorme significado dentro das relações humanas. Traduzida para o português como empatia, consiste no estabelecimento do êxito nas alianças terapêuticas, através de comunicação manante. Embasa-se no olhar para o outro com as lentes dele, realizando uma incursão respeitosa e branda, de maneira que o outro se sinta demasiado compreendido É, portanto, uma poderosa técnica capaz de despertar no ambiente uma atmosfera de confiança, um elo no encontro entre duas pessoas de realidades distintas, podendo ser projetada na relação médico x paciente (RMP).

Considerações sobre a relação médico x paciente

“A arte da medicina está em observar. Curar algumas vezes, aliviar muitas vezes, consolar sempre.” (Hipócrates)

Ao analisar a medicina em seu contexto histórico, é possível vislumbrar o advento de tal relação, concomitante à medicina hipocrática, a qual possuía como objetivo o benefício do ser humano, da pessoa, e não somente tratar uma doença. É válido salientar que a construção da relação médico-paciente é complexa e multifatorial, envolve vertentes psicossociais e necessita do protagonismo dos dois envolvidos; não imbrica-se apenas com o encontro pontual na consulta, mas também com a adesão ao tratamento e orientações.

Dentre os mais diversos aspectos que auxiliam na construção da RMP, destaca-se a empatia, que viabiliza que o paciente se sinta mais seguro e confortável a relatar suas queixas e/ou sintomas, indispensável na arte médica e no processo de diagnóstico. No cenário atual, as tecnologias, os exames de imagem e outros têm sido mais valorizados, em detrimento do fortalecimento desse vínculo obtido com empatia e escuta ativa. No entanto, é importante lembrar que as máquinas são capazes de revelar órgãos e outras estruturas internas, mas não os sentimentos; não é incomum o atendimento de pacientes apresentando uma miríade de queixas, mas sem alterações nos exames, o que pode indicar algo de cunho psicossomático ou de conversão.

A mudança descrita afetou, sobretudo, a empatia. Notória desumanização do paciente se configura na perda da identidade do mesmo, que infelizmente perpassa pela graduação. Nas enfermarias ou durante discussões de casos clínicos, a referência é sempre à doença ou o leito; a Dona Maria se torna a “paciente da colecistite aguda”, o senhor João é o “paciente do leito 7”.

Felizmente, muitas escolas médicas realizaram e ainda estão realizando constantes reformas em seus currículos, a fim de resgatar a humanização da medicina.

Construção da RMP de maneira empática

O primeiro fator que não deve ser negligenciado é o de que o paciente deve ser considerado como um todo, e a melhor forma de enaltecer essa verdade é através da abordagem, a qual deve transmitir atributos humanos com fluidez, tendo a anamnese como porta para adentrar na realidade dele e, assim, conhecer seu estilo de vida, condições socioeconômicas , estrutura familiar e cultural, visando conceber uma terapêutica e assistência personalizada.

É sabido que uma das piores consequências no déficit da RMP é o processo judicial, o que gera fadiga, custos e demanda muito tempo de ambas partes. Tempo este que poderia ter sido melhor aproveitado, dispensado na consolidação da relação.

Cabe, novamente, ressaltar o motivo da necessidade de construção empática na RMP. Em outros tempos, devido à escassez de recursos para diagnóstico, tudo era erigido a partir de uma boa conversa. Com o avanço tecnológico, houve uma transição que tornou o diagnóstico mais eficaz, mas a escuta foi colocada no escanteio. Porém, outra transição ocorreu: os pacientes que antes chegavam aos consultórios com doenças infectocontagiosas, hoje chegam com as doenças crônicas, as quais demandam estratégias terapêuticas de longa duração, que visam a melhoria na qualidade de vida e o bem-estar. Como já foi mencionado, a adesão está intimamente relacionada com o relacionamento previamente estabelecido. O êxito no tratamento dispensa que um mesmo paciente retorne ao serviço várias vezes com a mesma queixa, e a resultante é uma diminuição nas filas, sobretudo, no serviço público.

Destarte, a RMP é uma construção complexa e constante, mas que anda em paralelo com a humanização da medicina. A empatia é uma habilidade primaz em tal processo e que, como toda a habilidade humana, pode ser desenvolvida. No âmbito da consulta, a empatia constitui-se como uma quebra de paradigmas, de medos, da angústia e da ansiedade através da cordialidade e simpatia, seguida de um sorriso, um aperto de mão, um olhar, a escuta dos problemas sem minimizá-los … Construir relação empática é perguntar ao paciente “como você se sente?”, e, verdadeiramente, querer entendê-lo, prestando a assistência que você gostaria de ter.

Sobre a autora: Ana Carolina Costa, Nutricionista (CRN-4: 18101837), Acadêmica de Medicina (4º período, UFRJ-Macaé). Instagram: @arrobacarolinaa


Gostou do artigo? Quer ter o seu artigo no Sanarmed também? Clique aqui e saiba mais

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade © Copyright, Todos os direitos reservados.