Colunistas

Repercussões da variante delta na china e os impactos na imunização | Colunistas

Repercussões da variante delta na china e os impactos na imunização | Colunistas

Compartilhar

Novo surto de covid-19 faz a China adotar medidas restritivas.

COVID-19 ou SARS-CoV 2, foi identificado em Wuhan, na China, no dia 31 de dezembro de 2019, o vírus se espalhou pelo mundo sendo classificado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como uma pandemia. Devido sua patogenicidade, diversas estratégias foram adotadas com o intuito de amenizar o contágio: uso assíduo de máscaras, álcool em gel, algumas adaptações como trabalho remoto foram importantes enquanto cientistas buscavam de forma voraz a fabricação do imunizante a qual tiveram êxito e se tornou o meio eficaz do combate e avanço da pandemia.

De acordo com os dados do governo chinês os primeiros casos da infecção podem ser rastreados até 17 de dezembro de 2019. Desde então as vacinas foram formuladas e distribuídas em território mundial e com isso um fôlego diante da calamidade presente. Em contraste às boas perspectivas traçadas visando um futuro breve de retorno à normalidade, em julho de 2021 com surgimento de um nova variante classificada como Delta (B.1617.2), surge o maior surto da doença nos últimos meses.

Um novo surto de covid 19 preocupa a OMS.

A variante Delta do coronavírus está associada a maior transmissão e replicação. Enquanto a alfa (B.1.1.7) teve aumento de 29% na transmissibilidade, os pesquisadores apontam que a Delta chegou a 97% de incremento em relação ao vírus original mediante  pesquisadores da OMS e do Imperial College London. O que incorre, pois, em uma dificuldade na contenção da disseminação da pandemia.

A partir disso há informações relatadas pelo Jornal Global Times (vinculado ao PCC) no dia 31/07/2021 de 200 casos associados ao cluster Delta na cidade de Nanjing onde nove limpadores em um aeroporto internacional deram positivo com o surto abrangendo Pequim, Chonquing e cinco províncias. é levada a adotar, novamente, os protocolos de controle epidemiológico, como a limitação a viagens nacionais, com o intuito de diminuir o índice de contaminação da temida variante delta.

Em todo o mundo, as infecções por coronavírus estão mais uma vez em ascensão, com a Organização Mundial da Saúde anunciando um aumento médio de 80% nas últimas quatro semanas em cinco das seis regiões da agência de saúde, um salto em grande parte alimentado pela variante Delta. “Delta é um aviso: é um aviso de que o vírus está evoluindo, mas também é uma chamada à ação que precisamos agir agora, antes que mais variantes perigosas surjam”, disse o diretor de emergências da OMS, Michael Ryan, em entrevista coletiva.

Em se tratando da China, segundo levantamento do Banco Mundial a população chinesa é estimada em 1,3 bilhões de habitantes. Não há dados conclusivos sobre a quantidade de vacinados pois não houve divisão entre 1ª e 2ª dose nos números divulgados, mas o governo reitera que foram aplicadas 1,6 bilhões de doses até então, liderando o ranking de vacinação mundial, o que abre precedente para a dúvida se os imunizantes em circulação são ou não eficazes contra a nova variante.

PROTEÇÃO DAS VACINAS DIANTE DA VARIANTE DELTA

De acordo com um estudo feito pelos pesquisadores do Centro de Controle e Prevenção de Doenças da província de Cantão (Guangdong) na China, a CoronaVac (vírus inativado), vacina do Butantan e da biofarmacêutica chinesa Sinovac contra a Covid-19, evita de 85 a 100% o desenvolvimento de casos graves de covid-19 causados pela variante delta do SARS-CoV-2 e tem eficácia de 69,5% contra o aparecimento de pneumonias decorrentes da doença.

A Oxford, conjuntamente ao Office of National Statistics (ONS) e o Department for Health and Social Care (DHSC), realizou um estudo publicado no dia 18/08 em versão preliminar. A pesquisa apurou que as vacinas Pfizer-BioNTech (RNAm) e Oxford-AstraZeneca (vetor viral) oferecem boa cobertura contra novas infecções em geral, no entanto, a eficácia é reduzida em relação à variante Alpha. Em se tratando das infecções por variante Delta, após duas doses de vacina, os pacientes apresentaram níveis de pico de vírus semelhantes aos de pessoas não vacinadas; com a variante Alfa, os níveis de pico do vírus nas pessoas infectadas após a vacinação foram muito mais baixos. A vacina da Jansen (vetor viral) ainda não concluiu os estudos em humanos contra a variante delta.

Dentro desse contexto, projeções de Sarah Walker, Professora de Estatística Médica e Epidemiologia da Universidade de Oxford e Investigadora Principal e Líder Acadêmico da Pesquisa de Infecção COVID-19 apontam que, em uma boa perspectiva, é possível que, apesar da alta carga viral observada em infecções pela variante delta, o tempo de apresentação de sintomatologia seja reduzido.

Conclusão

Em suma, apesar de a mais recente variante em circulação do SARS-CoV 2 ter desestabilizado a atmosfera de otimismo em relação ao afrouxamento de medidas restritivas – na China e no mundo; os estudos mais recentes em relação à eficácia das vacinas desenvolvidas, ainda que incipientes e preliminares,  têm reiterado a importância fundamental da imunização e manutenção de ações de prevenção ao contágio.

Autor: Luã De Morais De Lima

Instagram: luadmdlima

O texto acima é de total responsabilidade do autor e não representa a visão da sanar sobre o assunto

Gostou do artigo? Quer ter o seu artigo no Sanarmed também? Clique no botão abaixo e participe:

Referências:

Effectiveness of Inactivated COVID-19 Vaccines Against COVID-19 Pneumonia and Severe Illness Caused by the B.1.617.2 (Delta) Variant: Evidence from an Outbreak in Guangdong, China – https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=3895639

Surto na China se espalha quando a OMS soa alarme na Delta – https://globaltimes.pk/china-outbreak-spreads-as-who-sounds-alarm-on-delta/

Covid na China: temores aumentam com avanço da variante Delta – https://www.bbc.com/portuguese/internacional-58065123

China isolada com barreiras militares por aumento de casos da covid – https://exame.com/mundo/china-isola-cidade-com-barreiras-militares-por-aumento-de-casos-da-covid/

Estudo mostra que CoronaVac é eficaz contra casos graves de Covid-19 causados pela variante delta – https://butantan.gov.br/noticias/estudo-mostra-que-coronavac-e-eficaz-contra-casos-graves-de-covid-19-causados-pela-variante-delta

CoronaVac é eficaz contra as três variantes que circulam no Brasil – https://vejasp.abril.com.br/saude/coronavac-eficaz-contra-variantes/

Vaccines still effective against Delta variant of concern, says Oxford-led study of the COVID-19 Infections Survey – https://www.research.ox.ac.uk/article/2021-08-19-vaccines-still-effective-against-delta-variant-of-concern-says-oxford-led-study-of-the-covid-19-infections-survey

Compartilhe com seus amigos: