Outros

Resumo completo de Comunicação em Cuidados Paliativos | Ligas

Resumo completo de Comunicação em Cuidados Paliativos | Ligas

Compartilhar

 Definição

Etimologicamente, a palavra comunicar origina-se do latim communicare, que significa “partilhar”, “repartir”, “associar” e “tornar comum”. Consiste em trocas e compreensão de mensagens em que as pessoas percebem e partilham o significado de ideias, pensamentos e propósitos.

Classificação

A comunicação vai além de palavras e conteúdo. Apresenta duas dimensões: verbal e não-verbal. O predomínio do uso de palavras é característica essencial da comunicação verbal, de modo a expressar pensamentos, validar ideias e clarificar a mensagem. Já a comunicação não-verbal qualifica a verbal por meio de gestos que acompanham o discurso. Compreende o tom de voz, o olhar e expressões faciais e corporais. Insere emoção à fala.

Objetivos

A comunicação adequada é considerada um método fundamental para o cuidado integral e humanizado porque, por meio dela, é possível:

  • Acolher, empaticamente, as necessidades do paciente, bem como de seus familiares.
  • Permitir que o paciente possa participar das decisões e cuidados específicos relacionados a sua doença e, dessa forma, obter um tratamento digno.
  • Vivenciar a terminalidade de maneira adequada.
  • Fortalecer o vínculo e adquirir confiança, facilitando a codificação de informações essenciais e amenizar ansiedade e aflição.
  • Contribuir para que o paciente tenha consciência de sua dignidade durante toda a assistência prestada, promovendo autonomia diante de decisões a serem feitas quanto sua vida e tratamento.
  • Possibilitar ao paciente espaço seguro para compartilhar medos e anseios relacionados ao seu quadro clínico e relações interpessoais e intrapessoal.
  • Valorizar expressões de compaixão e afeto na relação com o paciente proporcionam a certeza de que esse é parte importante de um conjunto, o que ocasiona sensação de proteção, de consolo, amparo, cuidado e de paz interior.
  • Resgatar e valorizar as relações interpessoais no processo de morrer, usando como métodos fundamentais à compaixão, a empatia, a humildade e a honestidade, acrescentando qualidade de vida aos dias que restam ao paciente e seus familiares, por meio de diversas estratégias de cuidar, dentre as quais destaca-se a comunicação.

Estratégias

Notícias difíceis: como falar a respeito de perdas, terminalidade e morte?

  • Comunicações eficazes, claras e honestas.
  • Expor as informações de acordo com as condições emocionais do paciente.
  • Acolher e deixar o paciente seguro.
  • Utilizar o toque afetivo.
  • Respeitar as escolhas do paciente.

Ações comunicativas para a família na terminalidade:

  • A família precisa ser informada sobre o que acontece e o que esperar do processo de morte de seus entes.
  • Ações comunicativas eficazes, claras e honestas.
  • Verbalização de disponibilidade e compaixão.
  • Perguntar o que o familiar precisa ou o que pode ser feito naquele momento para ajudar.
  • Respeitar crenças, rituais e se puder participar junto.
  • Utilizar o toque afetivo.

Reflexão

“Cuidar não é o prêmio de consolação pela cura não obtida, mas sim parte integral do estilo e projeto de tratamento da pessoa a partir de uma visão íntegra” (PESSINI, 1996, p. 35).

“É necessário que o profissional da saúde crie condições de se comunicar com esse paciente para que ele consiga refletir sobre o significado do seu adoecer” (CAMPOS,1995, p. 60).

Autores: Amanda Cavalcante e Juliana Mandarino

Revisor(a): Taíssa Schubert

Liga: Liga de Cuidados Paliativos – LICUP

Instagram: @licupunesa

Referências

ARAÚJO, M.M; SILVA, M.J. A comunicação com o paciente em cuidados paliativos: valorizando a alegria e o otimismo. Ver. Esc. Enferm. USP 2007; 41(4):668-674. Disponível em: https://www.scielo.br/j/reeusp/a/pCsdGFyV45fnyQmNpTGh5Bz/?lang=pt&format=pdf Acesso em: 19 out. 2021

BUISÁN, R; DELGADO, J.C. El cuidado del paciente terminal. An Sist Sanit Navar 2007; 30(Supl.3):103-112. Disponível em: https://scielo.isciii.es/pdf/asisna/v30s3/original7.pdf Acesso em: 19 out. 2021

FONSECA, A; GEOVANINI, F. Cuidados paliativos na formação do profissional da área de saúde. Rev bras educ med. 2013; 37 (1):120-5. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbem/a/DJvJFxwSSZ9CDBxkvMmHYfj/?lang=pt&format=pdf Acesso em: 21 out. 2021

MATSUMOTO, D.Y. Cuidados paliativos: conceito, fundamentos e princípios. In: Carvalho RT, Parsons HA. Manual de cuidados paliativos ANCP. 2a Edição. Porto Alegre: Sulina; 2012. p. 23-41.

MULLAN, B.A; KOTHE, E.J. Evaluating a nursing communication skills training course: the relationships between self-rated ability, satisfaction, and actual performance. Nurse Educ Pract 2010; 10(6):374-378. Acesso em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/20541974/ Acesso em: 19 out. 2021

RODRIGUES, M.V et al. Comunicação da enfermeira com pacientes portadores de câncer fora de possibilidade de cura. Ver. Enferm. UERJ 2010; 18(1):86-91. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-556443. Acesso em: 21 out. 2021

O texto acima é de total responsabilidade do autor e não representa a visão da sanar sobre o assunto.

Gostou da postagem? Quer ter a sua liga postando no Sanarmed também? Clique no botão abaixo e participe!

Compartilhe com seus amigos: