Ciclos da Medicina

Resumo sobre os tipos de estudos epidemiológicos

Resumo sobre os tipos de estudos epidemiológicos

Compartilhar
Imagem de perfil de SanarFlix

Confira neste artigo um resumo do conceito de estudos epidemiológicos e os seus tipos. Saiba mais com a Sanar!

Epidemiologia é a ciência que estuda a causa e efeito as das doenças em populações humanas. Por ser principal  base da informação em saúde, a epidemiologia é fonte de desenvolvimento metodológico a partir de dados que são extremamente importantes para a medicina, saúde coletiva e todas as outras áreas em saúde.

Os estudos da epidemiologia se diferenciam de acordo com os métodos empregados, que serão expostos a seguir.

Tipos de Estudos Epidemiológicos

Os estudos epidemiológicos são classificados com relação à intervenção do investigador – observacionais ou experimentais – e também levando em consideração o seu propósito – que pode ser descritivo ou analítico.

Há também a diferenciação por amostra, sendo ela individual ou ecológica (grupos de pessoas).

Resumo das diferenças entre os tipos de estudos epidemiológicos

Confira um esquema feito pela Organização Pan-Americana de Saúde (2017) que expõe as diferenças entre os estudos observacionais e os experimentais:

Estudos Observacionais
FONTE: ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE, 2017

Tipos de estudos epidemiológicos observacionais descritivos

Relato de caso e Série de casos

Ambos os estudos analisam de forma detalhada o diagnóstico clínico de indivíduos. Levam em consideração os sintomas, as características e sinais do paciente e os procedimentos terapêuticos que foram utilizados.

Esses são estudos primários, iniciais, que podem servir como base para estudos mais abrangentes – onde pode haver comparações e não apenas análises de casos específicos.

A diferença entre os dois é dada pela quantidade de amostras analisadas – os relatos compreendem de 1 a 3 casos e a série compreende de 3 casos adiante.

Estudo do tipo Demográfico (ecológico)

Estudo focado em grupos de pessoas, onde a sua unidade de estudo é uma área geográfica –  há a correlação com o tempo.  Através de variáveis ambientais (características físicas do ambiente) e globais (características do grupo) verifica se hipóteses existentes são viáveis ou se existem novas hipóteses a serem consideradas. Um dos seus principais objetivos é avaliar a eficácia de intervenções e a ocorrência do agente.

Transversal

O estudo transversal analisa a frequência – prevalência – de um determinado agente em um grupo e em um tempo determinado.  As variáveis são coletadas apenas em um momento, já que o estudo não dispende de um tempo longo de ação. Podem ser investigados vários resultados simultaneamente (de vários pontos no tempo, por exemplo).

Longitudinal

Esse tipo de estudo analisa a incidência de casos (novos aparecimentos) e por isso demanda tempo. Costuma ter foco em apenas uma variável e os dados são coletados periodicamente em um espaço temporal grande. Pode ser prospectivo (surge a causa e se busca o efeito/resultado) ou retrospectivo (há o efeito/resultado e se busca a causa).

Tipos de estudos epidemiológicos observacionais analíticos

Coorte

É um estudo prospectivo, dessa forma, acompanha os grupos em estudo por um determinado tempo e os resultados analisados são obtidos gradativamente, durante o período do estudo.

Os grupos selecionados compartilham fatores comuns de exposição e periodicamente são investigados para que haja a coleta de dados prospectivos dos mesmos.

É aplicado para a identificação da etiologia de uma patologia, a história natural da mesma e analisa o risco relativo – exposição da doença e a sua ocorrência – e por isso também é considerado um estudo longitudinal e de incidência.

Caso-controle

É um estudo retrospectivo, ou seja, analisa dados já produzidos (no passado) – como entrevistas, análises de registros, etc. Objetivo é observar a frequência de exposição de uma determinado agente (normalmente doença) em diferentes grupos. Eles são selecionados de uma mesma população – os casos ( grupo de ocorrência do objeto de estudo) e os controles (grupo que não há a ocorrência do obejto de estudo).

Visa entender  e identificar quais são os fatores de risco e de exposição, fatores prognósticos da patologia em questão e a eficácia das intervenções.

Tipos de estudos epidemiológicos experimentais analíticos

Ensaios clínicos

São estudos prospectivos que visam avaliar uma determinada intervenção e compará-la a outra – um tratamento famacológico X utilização de placebo, por exemplo.

Sem objetivo é alcançar a cura, uma melhora clínica ou prevenir complicações de determinada patologia. O Ensaio clínico randomizado, que é a distribuição aleatória das amostras é o mais utilizado.

Ensaios de Campo

Esse estudo analisa grupos (normalmente maiores que os dos ensaios clínicos) de pessoas saudáveis, que não possuem determinada doença mas estão sob o risco de desenvolvê-las. É focado na prevenção e estágio inicial de patologias.

Ensaios de Intervenção Comunitária

É o ensaio de campo aplicado à comunidades.

Síntese dos tipos de estudo

A figura a seguir mostra uma síntese gráfica dos tipos de estudo epidemiológicos:

Estudos Epidemiológicos
FONTE: ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE, 2017

Referências:

ALMEIDA FILHO, N.; BARRETO, M. L. Epidemiologia & saúde. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2019.

GUIMARÃES, L. S. P. et al. Os principais delineamentos na Epidemiologia – Ensaios Clínicos (Parte II). Clinical & Biomedical Research, [S.l.], v. 33, n. 3/4, jan. 2014.

OLIVEIRA, M. A. P.;  SÁ, R. A. M.; VELARDE, G. C.; Entendendo a pesquisa clínica V: relatos e séries de casos. Rio de Janeiro: Revista Femina, v.43, n. 5, setembro – outubro 2015.

Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica. Leitura Crítica de Artigos Científicos. 2011

Organização Pan-Americana de saúde. Tipos Metodológicos de Estudos. 2017

Sugestão de leitura complementar